Dezembro: ações a subir ou mito de Natal?

Mais importante do que tentarmos encontrar um racional que explique o padrão é não esquecermos que a história dos mercados está cheia de padrões fascinantes que só são verdadeiros até deixarem de ser.

Os mercados de ações estiveram a subir em 79% do tempo nos meses de dezembro durante as últimas três décadas, o que tem vindo a alimentar o mito de que, pelo menos, para os investidores em ações, o Pai Natal existe. O fenómeno é conhecido por “Santa Rally” e, mesmo sabendo que não é sensato tirar ilações sobre o comportamento passado das ações, na Schroders decidimos deixar-nos invadir pelo espírito festivo e analisar o efeito.

Padrão de frequência e ganhos em dezembro

Olhando para o MSCI World os últimos 30 anos, é possível encontrar um padrão: os mercados acionistas globais estiveram a subir em 79% do tempo nos meses de dezembro desde 1986, o que faz deste mês o melhor, em média, dos últimos 32 anos. A seguir vem abril (74,3%) do mês, e outubro (em 68,6%), enquanto junho está no polo oposto, com subidas apenas em 36,7% do tempo. Mas não se trata unicamente da frequência dos aumentos, já que o padrão estende-se à dimensão dos ganhos conseguidos em dezembro.

Para ampliar o espetro de análise, olhámos para o desempenho combinado de quatro índices bolsistas: FTSE 100, S&P 500, MSCI World e Eurostoxx 50, mensalmente e desde 1986, e os padrões persistem. Em média, os ganhos acionistas cresceram 2,1% nos dezembros, desde 1986, e este é o maior ganho médio de qualquer mês. Agosto, pelo contrário, é o pior, com o mercado de ações a cair, em média, 1%.

Outubro também se destaca, mas por ser o mês de maior imprevisibilidade: tem a maior frequência e a terceira maior subida média de ganhos, mas também algumas das maiores quedas: a segunda-feira negra de 1987, em que as ações globais caíram em média 23%, foi em outubro; a crise financeira asiática de 1997 intensificou-se em outubro, com as ações a caíram 6,6%; a crise financeira global de 2008 também se agudizou em outubro, com quedas de mais de 15% após o colapso da Lehman Brothers no mês anterior; e temos até este último outubro, com o mercado a afundar 7,4%, fruto de várias incertezas, incluindo as tensões comerciais entre EUA e China.

Perspetiva de longo prazo acima das superstições

As teorias avançadas sugerem que o fenómeno “Santa Rally” possa decorrer da psicologia dos investidores, com o sentimento da época a gerar uma disposição e humor mais positivos, que os levam a comprar mais do que a vender; ou da atividade dos gestores de fundos – com grande peso nos mercados – que fazem um rebalanceamento das suas carteiras nesta época que antecipa a entrada no novo ano.

Mas mais importante do que tentarmos encontrar um racional que explique o padrão é não esquecermos que a história dos mercados está cheia de padrões fascinantes que só são verdadeiros até deixarem de ser.

A imprevisibilidade dos mercados – e da realidade – ultrapassa qualquer estratégia baseada em padrões mensais e, se é certo que o sentimento dos investidores tem peso nos movimentos acionistas, mais acertada nos parece a opção por uma perspetiva de longo prazo.

Quem estivesse investido desde início de 1987 no S&P 500 e no MSCI World, teria ganho anual e respetivamente retornos médios de 7,8% e 5,6%. O pior que teriam conseguido era 4% no Eurostoxx 50. Com estas rentabilidades talvez dispensassem um milagre de Natal.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa abre em alta numa manhã positiva para os mercados europeus

O PSI iniciou a sessão desta terça-feira em terreno positivo, estando a ganhar 1,29% para 5.485,53 pontos numa manhã serena para a generalidade das praças europeias. A Greenvolt e a Altri estão em destaque esta manhã ao valorizarem, respetivamente, 1,77% para 8,61 euros e 2,42% para 5,12 euros. Ainda no mercado energético, a Energias de […]

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta terça-feira

Destaque do dia para a Rússia, que vai publicar os dados relativos à taxa de desemprego e outros indicadores macroeconómicos, numa altura em que o esforço bélico e o prolongamento das sanções começam a afundar a economia do país.

Luta da Fed contra a inflação atinge Wall Street no fecho da sessão

De resto, o organismo liderado por Jerome Powell deu conta na semana passada da possibilidade de as taxas de juro continuarem em alta até 2023 fez com que os três principais índices tivessem caído na última semana entre 4% e 5%.
Comentários