DGS já publicou mais de 300 relatórios de situação

A Direção-Geral da Saúde (DGS) ultrapassou neste domingo, dia 27 de dezembro, a barreira dos 300 relatórios diários sobre a Covid-19. Desde o dia 3 de março que a DGS dá a conhecer aos cidadãos a situação epidemiológica nacional, nomeadamente o acumulado de casos de Covid-19, o número de óbitos e o número de recuperados.

Miguel A. Lopes/Pool/Lusa

A Direção-Geral da Saúde (DGS) revelou hoje que ultrapassou neste domingo, dia 27 de dezembro, a barreira dos 300 relatórios diários sobre a Covid-19. Desde o dia 3 de março que a DGS dá a conhecer aos cidadãos a situação epidemiológica nacional, nomeadamente o acumulado de casos de Covid-19, o número de óbitos e o número de recuperados.

“Depois de uma primeira fase em que a DGS teve o apoio de uma empresa contratada para a produção do relatório de situação, com os desenvolvimentos do BI SINAVE a produção passou a ser assegurada pela DGS”, acrescenta a entidade liderada por Graça Freitas.

A DGS refere ainda que ao longo dos últimos meses, o boletim sofreu diversas melhorias, passando, por exemplo, a incluir a variação dos diferentes indicadores (casos ativos, recuperados, óbitos e confirmados) em relação ao dia anterior.

O boletim da DGS desta quarta-feira, 30 de dezembro, indica ainda que foram registados mais 3.222 casos recuperados em relação à véspera, totalizando 331.016 pessoas livres de Covid-19.

Nas últimas 24 horas, a Direção-Geral de Saúde (DGS) registou mais 6.049 casos confirmados por Covid-19 em Portugal elevando para 406.051 o número total de diagnósticos positivos desde o início da pandemia. Trata-se do dia com o número mais elevado de novas infeções desde 5 de dezembro.

Segundo o boletim epidemiológico divulgado esta quarta-feira, o número de mortes ascende para 6.830 depois de terem sido confirmados mais 79 óbitos: 31 no Norte, 12 no Centro, 25 Lisboa e Vale do Tejo (LVT), nove no Alentejo e dois no Algarve.

Vimioso continua a ser o município do país com a incidência mais alta

Às segundas-feiras, a DGS publica também as taxas de incidência nos mais de 300 concelhos do país.

Segundo os dados divulgados nesta segunda-feira pela DGS sobre a incidência acumulada entre 7 e 20 de dezembro, Vimioso (Bragança) continua a ser o município do país com a incidência mais alta, com 3.207 casos por cada 100 mil habitantes, um valor que aumentou em relação aos 14 dias anteriores, quando foram registados 2.908 casos por 100 mil habitantes.

O número de concelhos onde a incidência da Covid-19 é extrema (nos últimos 14 dias tiveram uma taxa de incidência superior a 960 por 100 mil habitantes) diminui para 26, menos quatro que no período anterior, estando mais concentrados no interior do País.

No total, nove concelhos saíram esta segunda-feira da lista de concelhos de risco extremo: Aguiar da Beira, Guimarães, Oliveira de Azeméis, Póvoa de Lanhoso, Póvoa de Varzim, Santa Marta de Penaguião, Vieira do Minho, Vila do Conde e Vila Nova de Famalicão. E entraram outros cinco – Alfândega da Fé, Amarante, Figueiró dos Vinhos, Idanha-a-Nova e Mora).

No total, dos 308 concelhos do país, 100 estão em risco moderado (com uma taxa de incidência entre zero e 239), menos quatro face ao período anterior. Há também menos três concelhos em risco elevado (com uma taxa de incidência entre 240 e 479), num total de 92. E mais 11 em risco muito elevado (com uma incidência ente 480 e 959), num total de 90.

Recomendadas

OE2023. Maioria dos empresários defende mexidas no IRS

Inquérito da consultora EY conclui que mais de 90% dos empresários defende alterações no IRS para mitigar efeitos da inflação – essencial para suportar o consumo privado. Empresas continuam a dar nota negativa ao sistema fiscal português e face à crise energética sinalizam como medidas prioritárias a descida do IRC e do IVA sobre todos os escalões de consumo de eletricidade consideradas.

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Mercado Automóvel em Portugal cai 34,7% até setembro

Apesar do mercado automóvel ter caído entre janeiro e setembro, foram matriculados mais 12,8% automóveis no mês passado do que em período homólogo de 2021.
Comentários