DGS reduz para sete dias período de isolamento para infetados assintomáticos e contactos de alto risco (com áudio)

A decisão foi revelada esta quinta-feira pelo organismo, dando assim seguimento a uma medida já tomada em outros países, mas também na Região Autónoma da Madeira.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

A Direção-Geral de Saúde (DGS) decidiu reduzir o tempo de isolamento para sete dias para doentes infetados com Covid-19 assintomáticos ou para aqueles que tenham estado com contactos de risco.

De acordo com o comunicado divulgado esta quinta-feira, a DGS informou o Ministério da Saúde que “operíodo de isolamento passa de 10 para 7 dias para as pessoas infetadas assintomáticas e para os contactos de alto risco. A operacionalização desta decisão técnica estará concluída no decurso da próxima semana”.

A decisão surge no seguimento de uma medida já tomada em outros países, mas também na Região Autónoma da Madeira. A Direção Regional de Saúde (DRS) daquela região emitiu novas recomendações relativas ao isolamento de casos positivos de Covid-19 e respetivos contactos, esta quarta-feira.

Para os casos positivos de Covid-19 é determinado isolamento imediato, independentemente do estado vacinal. O período mínimo de isolamento passa a ser de cinco dias, se não existirem sintomas, refere a DRS.

“O período mínimo de isolamento é de cinco dias, se o indivíduo não apresentar sintomas ou se os sintomas
forem resolvidos durante esse período. Nos cinco dias seguintes, é necessário o uso de máscara (com capacidade de filtração mínima de uma máscara cirúrgica, bem ajustada). Se o indivíduo apresentar sintomas, o isolamento deve ser mantido até ao desaparecimento dos sintomas”, explica a DRS.

Por sua vez, o secretário regional da Saúde dos Açores, Clélio Meneses, admitiu que o executivo regional “está a ponderar a possibilidade de passar para os cinco dias de isolamento, no sentido de agilizar algumas questões”.

“A redução do tempo tem a ver com um conjunto de circunstâncias. Tem a ver com a questão económica, mas também, e sobretudo, no que diz respeito à questão sanitária e de saúde pública”, justificou Clélio Meneses.

Lá por fora, Espanha confirmou, na quarta-feira, que vai encurtar o período de isolamento obrigatório para pessoas com teste positivo à Covid-19 de dez para sete dias, disse o Ministério da Saúde — uma decisão semelhante àquela tomada nos Estados Unidos na sequência de preocupações que a nova vaga de casos poderia resultar numa falta de trabalhadores e consequentemente prejudicar a economia. Naquele país, o período de isolamento foi encurtado para cinco dias.

 

Relacionadas

Isolamento de 10 dias “já não se justifica”. Bastonário defende a realização de um teste ao 7º dia de quarentena (com áudio)

O Bastonário da Ordem dos Médicos defende que um isolamento de 10 dias “já não se justifica” e que este deve ser reduzido para sete com a obrigação da realização de um novo teste. Ao Jornal Económico e na sequência do aumento de novos casos e aumento da pressão sobre os hospitais e serviços de urgência, Miguel Guimarães apela que o mecanismo de apoio de 400 camas do sector privado seja equacionado “o quanto antes.

De Espanha aos EUA, países estão a encurtar período de isolamento. E Portugal?

Espanha foi o último país a confirmar a redução do período de isolamento para quem fique infetado com Covid-19 por temer, à semelhança do que acontece nos EUA, que o aumento do número de pessoas infetadas provoque uma escassez de trabalhadores e, consequentemente, condicione o funcionamento da economia.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

PRR, mesmo sem inflação, sofreria dos mesmos problemas

Execução da bazuca enfrentaria dificuldades com burocracia e mudanças na economia global, reforçando papel dos contabilistas.

Tecnologia torna “obsoletos” problemas dos contabilistas

No último ano, as empresas tecnológicas têm investido em soluções mais inovadoras para os gabinetes de contabilidade. A PHC Software e a Sage são exemplos, com novos ‘add-ons’ ou arquivos digitais.
Comentários