DHL recebe primeiro Airbus convertido do transporte de passageiros

A DHL Express é o primeiro operador expresso a receber o avião A330-300P2F da Elbe Flugzeugwerke (EFW) – uma ‘joint-venture’ entre a ST Aerospace e a Airbus.

A primeira aeronave que resultou da operação de conversão de Airbus A330-300 de passageiros em cargueiro acaba de entrar ao serviço da DHL.
A DHL Express é o primeiro operador expresso a receber o avião A330-300P2F da Elbe Flugzeugwerke (EFW) – uma ‘joint-venture’ entre a ST Aerospace e a Airbus.
A entrega realizou-se nas instalações de conversão de carga da EFW, em Dresden, depois da conclusão bem-sucedida dos voos de ensaio, em outubro, e da atribuição do Certificado Suplementar de Tipo (STC) pela Agência Europeia de Segurança da Aviação (EASA), em novembro.
Recorde-se que a DHL Express formalizou o pedido de 8 unidades A330-300P2F, com a possibilidade de receber outras 10.
“A DHL Express está muito satisfeita por incluir o primeiro A330-300 P2F na operação comercial da sua rede aérea internacional”, disse Geoff Kehr, SVP, Global Air Fleet Management da DHL Express.
Para este responsável, “o primeiro avião servirá para fortalecer a rede aérea da ásia-pacífico, aumentar a capacidade e a eficiência num mercado onde estamos a assistir a um crescimento dinâmico de volume de carga expresso”.
O programa de conversão do A330P2F, lançado em 2012, é uma colaboração entre a ST Aerospace, a Airbus e a sua ‘joint-venture’ EFW.
A ST Aerospace, como líder técnico do programa e da fase de desenvolvimento de engenharia, é responsável pela candidatura a certificados suplementares para as conversões de aviões-cargueiro, da Agência Europeia para a Segurança da Aviação e da Administração Federal de Aviação dos EUA.
A Airbus contribui para o programa com dados OEM e apoio na certificação, enquanto a EFW lidera a fase de industrialização e de comercialização do programa de conversão cargueiro.
O programa A330P2F inclui duas versões – o A330-200P2F e o maior A330-300P2F.
Das duas variantes, o maior A330-300P2F está vocacionado para integradores e operadores expresso devido à sua elevada capacidade de carga volumétrica com carga de baixa densidade.
Este pode transportar até 62 toneladas por mais de 6.760 quilómetros, oferecendo 20% mais volume de carga e menor custo por tonelada do que outros tipos de aviões de carga com um alcance semelhante.
A DHL reclama a liderança global de mercado na indústria da logística, acrescentando que as diferentes divisões da empresa oferecem um ‘portfolio’ alargado em serviços de logística, desde a entrega nacional ou internacional, às soluções de transporte e atendimento ‘e-commerce’, ao transporte expresso internacional, aéreo, marítimo e rodoviário, até ao abastecimento industrial de cadeias de gestão (‘industrial supplychain management’).
Com 350 mil funcionários, a DHL está presente em mais de 220 países e territórios em todo o mundo e faz parte do Grupo DeutschePost DHL.
O grupo gerou receitas superiores a 57 mil milhões de euros em 2016.
A DHL Express Portugal tem como atividade o transporte expresso internacional de encomendas e documentos, servindo as principais áreas de negócio do país através de oito centros de distribuição.
Uma equipa de cerca de 420 pessoas e uma frota composta por 150 veículos operacionais e dois aviões garantem diariamente as ligações de Portugal com os grandes centros operacionais em todo o Mundo.
Recomendadas

Woodside admite possibilidade de gasoduto do Greater Sunrise para Timor-Leste

A petrolífera australiana Woodside admitiu hoje que está a reconsiderar a possibilidade de um gasoduto dos campos do Greater Sunrise para a costa sul de Timor-Leste, no que representa uma viragem na posição da empresa.

Mais de 1.700 contactos de clientes bancários à rede de apoio RACE até setembro

A Rede de Apoio ao Cliente Bancário (RACE) recebeu, entre janeiro e setembro, 1.783 contactos de devedores com dificuldades em pagar créditos, registando desde julho um aumento dos processos PARI ou PERSI que acompanha, revelou a Direção-Geral do Consumidor.

Airbus aceita multa de 15,9 milhões para evitar processos judiciais por corrupção

O fabricante aeronáutico Airbus aceitou na quarta-feira pagar uma multa de 15,9 milhões de euros em França para evitar processos criminais por suspeitas de corrupção relacionadas com a venda de aviões, sobretudo à Líbia e Cazaquistão entre 2006 e 2011.
Comentários