Dia Internacional da Migração celebra-se hoje #ComDignidade

Existem 258 milhões de migrantes no mundo, representado apenas 3,4% da população, e cerca de 40 milhões são crianças e jovens estudantes. Em 2018, cerca de 3.400 migrantes e refugiados perderam as suas vidas em todo o mundo. Migração com Dignidade é o tema do Dia Internacional dos Migrantes de 2018.

Alkis Konstantinidis/Reuters

Dia Internacional dos Migrantes, celebrado esta terça-feira, tem este ano como slogan “Migração #ComDignidade”.

”Tratar todos os migrantes com dignidade é um dos requisitos fundamentais que enfrentamos. A migração é a grande questão da nossa era e uma força para a dignidade, porque permite que as pessoas escolham salvar-se a si mesmas. Devemos dignificar essas escolhas, prestando-lhes respeito, e respeitamo-las tratando aqueles que fazem essas escolhas com dignidade. Ao celebrarmos este dia, apelamos que a migração seja feita de forma segura e digna para todos”, escreve o comunicado das Nações Unidas.

Passou uma semana desde que 164 países, incluindo Portugal, assinaram o Pacto Mundial para a Migração, que a Organização Internacional para as Migrações (OIM) vai supervisionar. Contudo, seis países não assinaram o pacto (Bulgária, Hungria, Áustria, Polónia, Eslováquia, República Checa) e há dúvidas sobre a efetiva adoção noutros quatro (Bélgica, Itália, Croácia, Malta).

O Observatório para as Migrações revela que Portugal teve, em 2017, um saldo migratório positivo: houve mais entradas do que saídas e chegaram ao país 36 mil imigrantes, enquanto deixaram o território nacional 32 mil pessoas.

Neste dia, António Vitorino, diretor-geral da Organização Internacional das Migrações, expressou preocupação com o caso da manifestação de extrema-direita deste fim de semana, em Bruxelas, num protesto contra o pacto global das migrações, assinado na semana passada em Marraquexe.

O diretor-geral adverte que o clima será uma das tendências no fluxo migratório: “Desastres naturais e epidemias, como a atual ameaça do Ébola numa parte de África, forçam mais pessoas a porem-se em movimento todos os dias”.

“Guerra, alterações climáticas, demografia e o crescente fosso entre os que, economicamente, têm muito e os que não têm nada, contribuem para o crescimento da migração humana como forma de garantir a segurança e o bem-estar dos indivíduos, famílias e comunidades”, cita a Euronews a  mensagem de celebração do dia de António Vitorino.

Existem 258 milhões de migrantes no mundo, representado apenas 3,4% da população, e cerca de 40 milhões são crianças e jovens estudantes. A maioria dos migrantes circula na Ásia, África e América do Sul. Apenas um terço reside na Europa e a  maioria são originários de países desse mesmo continente.

Daqui a quatro anos, será feita a primeira avaliação do Pacto Mundial para a Migração. Michele LeVoy diz que a implementação deve ser um esforço em conjunto com a sociedade civil.

Relacionadas

Migrações: ‘Eu vim de longe, de muito longe, o que andei pra aqui chegar’

O número de migrantes e refugiados a chegar à Europa atingiu o pico em 2015. Desde então, tem vindo a cair drasticamente. Itália, Grécia e Espanha têm servido de porta de entrada na Europa e têm sido os países que mais migrantes e refugiados têm recebido. Já os países mais ricos como a Alemanha e a Dinamarca têm tentado travar a circulação ilegal dos migrantes.

Papa Francisco condena líderes políticos que fomentam políticas anti-migração

O comentário surge num momento em que a imigração é uma das questões mais controversas em países como os Estados Unidos, a Itália, a Alemanha e a Hungria.

Portugal inverte tendência e tem saldo migratório positivo em 2017

“Destaca-se muito positivamente a contribuição das pessoas imigrantes ao nível da natalidade, do aumento das suas habilitações, qualificações e empreendedorismo, bem como do balanço financeiro positivo de 514,3 milhões de euros de contribuições para a segurança Social, em 2017”, refere a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade.
Recomendadas

Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

Leiria lança concurso público para criar sistema de bicicletas partilhadas

A Câmara de Leiria aprovou hoje o lançamento do concurso público internacional para a criação do sistema público de bicicletas partilhadas da cidade, num investimento de 740 mil euros acrescidos de IVA.

Marcelo “não deveria ter falado” com José Ornelas, considera Ventura

O presidente do Chega, André Ventura, considerou hoje que o Presidente da República “não deveria ter falado” com o bispo José Ornelas sobre questões relacionadas com a denúncia de alegado encobrimento de abusos sexuais.
Comentários