Dicas para a Poupança Energética. Pensar na água sanitária

Fique a conhecer as opções e poupe na fatura da eletricidade através dos conteúdos do Programa Polo Positivo


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Tal como na climatização, também na produção e utilização de água quente para fins sanitários é possível promover a eficiência energética. Ao optar pela instalação de equipamentos com bom rendimento, dotados de sistemas de controlo de funcionamento que permitam uma boa adaptação às necessidades efetivas, operados de forma racional e mantidos em bom estado de conservação é possível minimizar desperdícios de recursos energéticos no aquecimento de águas.

Fique a conhecer as opções e poupe na fatura da eletricidade através dos conteúdos do Programa Polo Positivo, um programa desenvolvido especificamente para auxiliar as Instituições Particulares de Solidariedade Social a tornarem-se energeticamente mais eficientes.

Água quente sanitária
A água quente sanitária (AQS) é tipicamente aquecida em sistemas a gás ou com recurso a resistência elétrica.

A produção de água quente pode ser instantânea ou por acumulação. A escolha da melhor solução depende do tipo, frequência e nível de utilização previsto, bem como da existência e condições de fornecimento de gás. Para que possa fazer uma escolha energeticamente eficaz, conheça os sistemas existentes:

Sistemas instantâneos: são equipamentos que aquecem a água quando são ativados. É o caso dos esquentadores a gás, elétricos ou caldeiras murais. O seu inconveniente é que, até que se atinja a temperatura desejada, desperdiça-se uma quantidade considerável de água e energia, tanto maior quanto a distância entre o sistema de aquecimento e o ponto de consumo. Outra desvantagem passa pela deterioração do equipamento, devido ao seu funcionamento do tipo “pára-arranca”.

Sistema de acumulação: são equipamentos de acumulação de água quente. As principais vantagens passam pelo evitar do permanente “pára-arranca” e a possibilidade de utilização da água quente em vários pontos e ao mesmo tempo, por esta se encontrar acumulada. Estes equipamentos devem ser devidamente isolados – especialmente o depósito – e utilizados apenas quando necessário, através de um relógio programador. Os termoacumuladores de resistência elétrica, com modelos de várias capacidades, entre os 100 e os 150 litros, que são uma opção mais económica, se for utilizada a tarifa bi-horária de eletricidade.

Para um funcionamento correto e seguro, estes equipamentos necessitam de uma manutenção anual ou de acordo com o indicado pelo fabricante. Verifique os custos desta operação e opte por marcas que tenham representação na sua área de residência. Manutenções reduzidas ou deficientes podem afetar a longevidade dos aparelhos.

OJE/Polo Positivo

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.