Dieselgate em Portugal: Volkswagen suspende reparação de carros com motores a gasóleo 1.2 TDI

A Volkswagen decidiu suspender em Portugal a reparação de motores a gasóleo 1.2 TDI do tipo EA189 afetados pelo dieselgate. A autoridade alemã dos transportes está a investigar se o grupo Volkswagen manipulou a reparação de carros com este motor. Se concluir que houve manipulação um total de 370 mil carros do grupo VW poderão ter de ser chamados à oficina.

A Volkswagen suspendeu em Portugal a reparação de parte dos automóveis afetados pelo software fraudulento que manipula as emissões poluentes dos veículos a gasóleo, o caso conhecido por “dieselgate”. Esta suspensão afeta os veículos equipados com motores 1.2 TDI EA189, que equipa automóveis como o Volkswagen Polo ou o Skoda Fabia.

No domingo, o jornal alemão Bild noticiou que a autoridade alemã dos transportes (KBA) estava a investigar se o grupo Volkswagen tinha ludibriado a reparação do software fraudulento, quando os carros foram chamados às oficinas para efetuar a atualização do software que manipula as emissões poluentes.

Se a KBA concluir que o grupo Volkswagen ludibriou a reparação do software fraudulento do “dieselgate”, a marca pode ter de chamar 370 mil veículos de volta à oficina em toda a Europa, escreveu o Bild.

Questionado pelo Jornal Económico, a SIVA – empresa importadora das marcas Volkswagen, Skoda e Audi  para Portugal -, anunciou que suspendeu a reparação destes motores.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

Relacionadas

PremiumPortugueses têm 17 mil automóveis por reparar afetados pelo dieselgate

Em Portugal foram identificadas 125 mil viaturas do grupo Volkswagen afetados pelo escândalo da manipulação das emissões poluentes. Deste total, ainda é preciso intervir em cerca de 15% dos carros afetados.
Recomendadas

Galp dispara mais de 2,5% depois de Andy Brown anunciar saída

O gestor britânico vai sair menos de dois anos depois de ter chegado à empresa para substituir Carlos Gomes da Silva que saiu antes do final do mandato.

Califórnia recebe eventos para americanos interessados em viver em Portugal

“O alvo é quem está interessado em mudar-se para Portugal para viver”, disse à Lusa Bruce Hawker, CEO da Open Media. “Desde uma pessoa que está prestes a reformar-se ao nómada digital que quer ir trabalhar remotamente, a alguém que esteja interessado em criar uma startup em Portugal ou famílias com crianças”, indicou o responsável. 

Andy Brown deixa presidência executiva da Galp no final do ano

Andy Brown destacou, citado na nota, que aceitou “com grande honra o convite para completar o mandato 2019-2022 com o objetivo de preparar a companhia para um futuro de sucesso em tempos de grandes desafios para o sector”.
Comentários