Diferendo ameaça atrasar entrada em operação de duas barragens com mil megawatts no rio Tâmega

Depois de o país ter fechado as centrais a carvão, a Iberdrola tem prontas duas barragens, mas um diferendo pode atrasar arranque dos projetos.

A Iberdrola garante que vai ter prontas duas das três barragens no rio Tâmega em Trás-os-Montes até ao final deste ano. Mas um diferendo entre a autarquia de Mondim de Basto, distrito de Vila Real, e a REN por causa do percurso dos cabos de muita alta tensão que vão transportar a eletricidade produzida nas barragens para o resto do país ameaça derrapar este prazo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumIberdrola segue em contracorrente aos seus rivais e reduz preços em 2022

A elétrica espanhola anuncia que vai reduzir os seus preços a partir de 1 de janeiro. A empresa garante estar atenta ao leilão de energia solar flutuante e deixa críticas ao Governo pelo pouco tempo de consulta pública da nova lei de bases do sistema elétrico.
Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários