PremiumDigitalização cria mais emprego em Portugal do que na UE

Estudo publicado pelo Ministério da Economia mostra que, entre 1995 e 2019, foram criados em Portugal 4,6 empregos por cada 100 mil euros de investimento na digitalização, acima da média comunitária.

Afinal, a tecnologia não vai levar ao desemprego todos os trabalhadores humanos. Nas duas décadas e meia entre 1995 e 2019, foram criados por cá 4,6 empregos por cada 100 mil euros de investimento na digitalização, resultado que coloca Portugal acima da média europeia.

Esta conclusão consta de uma análise divulgada recentemente pelo Gabinete de Estratégia e Estudos (GEE) do Ministério da Economia e do Mar, mas é importante observar que se tratam de dados líquidos, ou seja, não é que não tenha havido destruição de postos de trabalho neste âmbito. Antes, foram criados, neste âmbito, mais empregos do que os que foram eliminados, deixando clara a importância, destacam os especialistas ouvidos pelo Jornal Económico (JE), da formação dos trabalhadores para os desafios tecnológicos que o mercado hoje apresenta.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta terça-feira

  Público “Salário mínimo vai perder poder de compra pela primeira vez desde 2013” “Itália. Meloni vai apostar no “politicamente correto” “Investigação. Há tribunais a proibir e outros a autorizar os metadados”   Jornal i “Maternidade depois dos 50” “Ucrânia. Russos desesperados para não ir para a linha da frente” “Seixas da Costa condenado por […]

Marcelo “pessimista” teme efeitos de “discurso muito dramático” do BCE

Perante uma plateia de empresários portugueses em São Francisco, na noite de segunda-feira na Califórnia, hoje de madrugada em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, porém, também ele “uma análise pessimista” da conjuntura económica portuguesa nos próximos tempos, “por causa do mundo”.

Admitidas 13 candidaturas ao concurso público internacional do SIRESP

Para a SIRESP SA, o “número significativo de candidatos qualificados é demonstrativo de que se encontram asseguradas condições de concorrência adequadas entre os potenciais interessados do setor de mercado relevante e de que o concurso poderá vir a consubstanciar-se numa mais-valia económica e tecnológica para o interesse público, que o Estado visa prosseguir com a aquisição desses serviços”.
Comentários