Digitalização, ferrovia, PAC e Erasmus+ integram prioridades setoriais da presidência portuguesa da UE

Portugal assume até junho deste ano a presidência rotativa do Conselho da União Europeia e os diferentes ministros de António Costa têm ambições que querem concretizar.

Ursula von der Leyen e António Costa | Cristina Bernardo

A aposta na digitalização, a ferrovia ou a conclusão da reforma da Política Agrícola Comum (PAC) são algumas das prioridades setoriais avançadas pelo Governo para a presidência do Conselho da União Europeia (UE), no primeiro semestre de 2021.

Tal como aconteceu com a presidência alemã, que terminou em 31 de dezembro, prevê-se que as questões relacionadas com a pandemia também preencham a agenda da presidência portuguesa. O primeiro-ministro, António Costa, considerou, por isso, em 01 de dezembro, que a “grande prioridade” para os próximos meses será “assegurar uma vacinação justa que assegure uma imunização global contra a covid”.

Nos últimos meses, contudo, têm sido apresentadas outras prioridades no âmbito dos diferentes ministérios do Governo, que ambicionam concretizá-las durante a presidência portuguesa do Conselho da UE.

Para o Ministério da Educação e do Ensino Superior, nos próximos meses dar-se-á primazia ao desenvolvimento das competências e capacidades, ao fortalecimento da digitalização e da sustentabilidade e à promoção da inclusão e equidade. Nesse sentido, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou, em 9 de dezembro, que o programa Erasmus+, que junta todos os programas de intercâmbio da área da educação e formação da UE, será lançado durante a presidência portuguesa.

No setor dos transportes, a prioridade será a ferrovia, com vista a “colocar o caminho-de-ferro no centro de um sistema de transportes europeu mais resiliente e ao serviço das pessoas”, sublinhou o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos.

Na área das telecomunicações, o Governo define como objetivos a transição digital da Europa e um impulso do mercado único digital, tendo Pedro Nuno Santos frisado a importância da inauguração do cabo submarino ‘Ellalink’, que liga o continente sul-americano à Europa, através da ligação de Fortaleza, no Brasil, a Sines, em Portugal.

Na agricultura, a prioridade para o próximo semestre será a conclusão da reforma da Política Agrícola Comum (PAC). Prevê-se que a nova PAC seja mais exigente na adoção de boas práticas ambientais, tendo os governos maior flexibilidade na adoção das medidas e na alocação do financiamento, através dos respetivos Planos Estratégicos Nacionais.

A “Inovação no Desporto” e a “Diplomacia no Desporto” serão os temas prioritários neste setor, de acordo com o Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), que revelou que foram estas as prioridades apresentadas pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, no Conselho de ministros do Desporto, em 01 de dezembro.

Na cultura, a ministra Graça Fonseca definiu como objetivos a retoma económica dos setores culturais e criativos e as condições de trabalho no setor.

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, revelou que as principais preocupações da presidência portuguesa do Conselho da UE neste setor serão o combate ao terrorismo, à cibercriminalidade e aos crimes de ódio.

Na área da Defesa, a prioridade será o reforço da parceria europeia com o continente africano ao nível da paz e da segurança, de acordo com o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, que ambiciona ainda o reforço de relações com a NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte), evocando a administração de Joe Biden, Presidente eleito dos Estados Unidos, que assume funções em 20 de janeiro.

O ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, revelou que o principal objetivo do setor para os próximos seis meses será o novo regulamento do controlo das pescas. Durante este período, prevê-se também a conclusão do Fundo Europeu das Pescas e da Aquicultura.

O plano de ação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais será a prioridade do ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, com a ministra Ana Mendes Godinho a definir ainda como objetivo a diretiva sobre o salário mínimo europeu, área em que Portugal terá o papel de “mediador”.

A presidência portuguesa do Conselho da UE, segundo o Governo, tem como objetivos principais ter o orçamento europeu para 2021-2027 em execução até ao final de junho e concluir o processo de aprovação dos planos dos Estados-membros para a aplicação das verbas do Fundo de Recuperação pós-pandemia.

A terceira meta é que o plano de vacinação europeu contra a Covid-19 esteja avançado quando terminar o semestre e que haja uma contribuição da Europa para a vacinação universal em todo o mundo. A quarta é dar “o impulso definitivo” à concretização do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, que terá como momento alto a Cimeira Social, em maio no Porto.

Finalmente, o Governo pretende contribuir, durante a presidência, para a abertura da Europa ao mundo.

Recomendadas

Brasil. Ex-juiz Sergio Moro é senador e nove governadores reeleitos no Brasil

Moro, que ficou conhecido por atuar como juiz de primeira instância na operação Lava Jato e condenar dezenas de políticos, entre eles o candidato e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, estava atrás do candidato Álvaro Dias nas sondagens, mas conseguiu a preferência dos eleitores no estado do Paraná, onde se candidatou.

Lula da Silva confiante em vitória na segunda volta das eleições no Brasil

“Sempre achei que nós iríamos ganhar as eleições e nós vamos ganhar as eleições. Isto para nós é apenas uma prorrogação”, afirmou numa conferência de imprensa em São Paulo após a divulgação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que indicou uma disputa entre ele e o atual Presidente, Jair Bolsonaro.

Brasil. ‘Bolsonaristas’ revoltados com ida à segunda volta (com áudio)

Na sua única declaração aos jornalistas após o resultado eleitoral, Jair Bolsonaro afirmou que venceu a “mentira” das sondagens que o colocavam apenas 36% nas intenções de voto e Lula da Silva com a possibilidade de uma vitória na primeira volta.
Comentários