Dinamarca e México são os novos alvos dos vinhos portugueses

Para Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, “as apostas da estratégia de promoção para o próximo ano espelham uma ambição clara em levar a chancela ‘Wines of Portugal’ a um número cada vez mais crescente de destinos de exportação”.

A estratégia de promoção dos vinhos portugueses no exterior para 2019 passa a contemplar os mercados da Dinamarca e do México, mas continua a a apostar nos consumidores dos Estados Unidos da América, Canadá, China e Brasil.

Destes mercados, os Estados Unidos já são um dos principais destinos de exportação nacional, a par de França.

Por seu turno, o Brasil é o mercado onde os vinhos portugueses mais cresceram em valor no último ano.

Com este desempenho, Portugal já é 9º maior exportador de vinhos a nível mundial.

“A fileira do vinho de Portugal irá em 2019 investir 14 milhões de euros na promoção internacional, cabendo à ViniPortugal cerca de 6,5 milhões de euros, dos quais 60% deste valor a ser destinado aos quatro principais mercados desta estratégia – Estados Unidos da América, Canadá, China e Brasil”, explica um comunicado da ViniPortugal.

O mesmo documento adianta que “a integração da Dinamarca e do México no plano de acção para o próximo ano, elevando para 16 mercados estratégicos, e a aposta crescente em eventos para consumidores para dar a conhecer a qualidade e diversidade dos vinhos portugueses são as grandes novidades do Plano Sectorial de Marketing e Promoção para 2019 da ViniPortugal, que tem a chancela ‘Wines of Portugal'”.

Para Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, “as apostas da estratégia de promoção para o próximo ano espelham uma ambição clara em levar a chancela ‘Wines of Portugal’ a um número cada vez mais crescente de destinos de exportação”.

“Entendemos que, para além dos Estados Unidos, Canadá, China e Brasil, que estão no topo do nosso investimento pelo crescimento que temos vindo a conquistar de forma consistente, é estratégico explorar outras oportunidades para darmos seguimento à estratégia de diversificação de mercados. É nesse contexto que em 2019 vamos apostar na Dinamarca e no México, dando seguimento ao bom acolhimento que os vinhos portugueses têm tido nestes territórios”, revela o presidente da ViniPortugal.

Relativamente ao aumento do número de acções dirigidas a consumidores, o presidente da ViniPortugal afirma ser um passo que decorre da evolução sustentada nos mercados prioritários. “Ao atingirmos uma distribuição consistente em mercados relevantes, como é o caso dos Estados Unidos, do Canadá e do Brasil, estamos em condições de dar um novo passo e levar o vinho até ao consumidor final. Em 2019, vamos apostar mais neste tipo de iniciativas, que dão notoriedade à marca ‘Wines of Portugal’, e reduzir um pouco as acções para profissionais em alguns mercados”, afirma Jorge Monteiro.

A dinamização de eventos B2B (‘business to business’ ou empresa a empresa), com reuniões ‘one-to-one’ (um para um) de angariação de importação, visitas de comitivas de mercados estratégicos, a participação em feiras para profissionais, como a ProWein (Alemanha), Feira APAS (Brasil), Chengdu Spring Fair e ProWein Xangai (China) e Vinexpo (França), e a realização de 22 Provas ‘Vinhos de Portugal’ nos Estados Unidos, Brasil, Angola, Canadá, China, Japão, Noruega, Coreia do Sul, Suíça, Rússia, Reino Unido, Alemanha, Polónia e Dinamarca são iniciativas em destaque no Plano Setorial de Marketing e de Promoção da ViniPortugal para o próximo ano.

A instituição presidida por Jorge Monteiro destaca ainda “o reforço da aposta na educação e formação, com academias de formação e jantares vínicos dedicados aos vinhos nacionais para profissionais nos Estados Unidos, Brasil, Angola, Canadá, Japão, Noruega, Suíça, Rússia, ações de relações públicas, assessoria de imprensa e comunicação digital são outras apostas da ViniPortugal”.

De acordo com os dados apresentados pelo Instituto da Vinha e do Vinho (IVV) no Fórum Anual dos Vinhos Portugueses, realizado na passada quinta-feira, dia 29 de novembro em Coimbra, “as exportações dos vinhos portugueses cresceram 4% em volume e 5% em valor e tiveram um aumento de 1,3% no preço médio em 2018 face ao ano passado (dados apurados até setembro de 2018)”.

“França, Estados Unidos e Reino Unido são os três principais destinos de exportação dos vinhos portugueses, representando 33% do vinho exportado. A liderança é ocupada pela França, com um crescimento de 12,9% em volume e de 7,8% em valor em 2018 das exportações nacionais face ao ano transacto”, sublinha a ViniPortugal.

A instituição liderada por Jorge Monteiro considera que, “apesar de ficar fora do pódio, o Brasil é um mercado em evidência, com os vinhos portugueses a terem um desempenho muito positivo, com um crescimento de 19,8% em valor e um aumento de 11,2% no preço médio em 2018 face a 2017, o que consubstancia a melhor ‘performance’ no ‘top-10’ dos principais mercados de destino dos vinhos portugueses, que inclui ainda países como Alemanha, Canadá, Bélgica, Países Baixos, Angola e Suíça”, acrescentando que, em conjunto, “estes mercados representam 72% da exportação nacional”.

“Nota final para o desempenho no mercado da Alemanha, com um crescimento de 14% em volume e de 10,7% em valor, e na Suíça, com um crescimento de 7,2% em volume e de 9,4% em valor, que espelham a aposta sustentada na promoção da marca ‘Wines of Portugal’ junto destes mercados”, salienta a ViniPortugal.

“Os dados revelados, com particular ênfase para os crescimentos interessantes registados no Canadá e no Brasil, mostram que Portugal continua no bom caminho para ser reconhecido como um actor importante do comércio tradicional, com uma qualidade sustentável e consistente. Acreditamos que será possível fechar o ano de 2018 atingindo o patamar de 830 milhões de euros nas exportações, que nos deixa lançados para atingir a nossa ambição de chegar aos mil milhões de euros em 2022”, prevê Jorge Monteiro.

O presidente da ViniPortugal assinala que “o nosso país encontra-se no 9.º lugar no ‘ranking’ mundial, atrás da Nova Zelândia e estando à frente de países como África do Sul e Argentina”.

“Importa continuar a trilhar este caminho, consolidando nos mercados onde temos crescido de forma visível ao longo dos últimos anos e apostando em novos mercados, com uma postura competitiva e profissional. A diversificação de mercados tem de continuar a ser uma prioridade para os vinhos portugueses. Temos de sair da chamada “zona de conforto” e alocar tempo, energia e recursos para ser bem-sucedidos em mercados mais exigentes”, conclui Jorge Monteiro.

ViniPortugal cria prémio “Personalidade do Ano”  e prepara sala de provas renovada no Porto

O presidente da ViniPortugal já anunciou a criação do Prémio ‘Personalidade do Ano’, destinado a distinguir personalidades que se têm afirmado na promoção dos vinhos portugueses em mercados internacionais.

Entre Dezembro de 2018 e Janeiro de 2019 haverá lugar a uma pré-seleção dos candidatos, seguida da votação final na plataforma da ViniPortugal dedicada aos agentes económicos.

Os vencedores da primeira edição desta iniciativa serão conhecidos na Gala do Concurso Vinhos de Portugal, que terá lugar no dia 10 de Maio, no Porto.

Outras da novidades recentemente anunciadas foi a abertura em breve da nova sala de provas de Vinhos de Portugal no Porto.

A sala, até agora localizada no Palácio da Bolsa, passa a contar com um espaço renovado na Rua das Flores.

 

 

 

 

Recomendadas

Cinco restaurantes portugueses conquistam primeira estrela Michelin

Encanto (José Avillez e João Diogo), Kabuki Lisboa (Paulo Alves), Kanazawa (Paulo Morais), Euskalduna Studio (Vasco Coelho Santos) e Le Monument (Julien Montbabut) receberam o selo de “cozinha de grande nível, compensa parar” no Guia Michelin Espanha e Portugal 2023.

Empresas de carnes e peixes artificiais veem “desafios” com a crise

Multinacionais como Beyond Meat ou Impossible Foods tiveram um crescimento exponencial em 2019-20 e hoje enfrentam quebras de vendas e despedimentos. Em Portugal, outras ‘agrotechs’ admitem preocupações, mas garantem impacto positivo do negócio no longo prazo.

Padaria Portuguesa transforma óleo alimentar em biocombustível

Produto é encaminhado para produzir o Eco Diesel B15, que permite reduzir até 18% as emissões de gases de efeito estufa.
Comentários