Diplomacia da União Europeia reúne com urgência após discurso de Putin

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) vão efetuar ainda esta quarta-feira uma reunião extraordinária em Nova Iorque para abordar os últimos acontecimentos em torno da guerra da Ucrânia.

Os chefes da diplomacia dos 27 Estados-membros, que se encontram na cidade norte-americana no âmbito da Assembleia geral da ONU, já mantiveram um encontro informal na passada segunda-feira e voltarão a encontrar-se hoje pelas 20h15 locais (01h15 de quinta-feira em Lisboa).

A reunião vai decorrer após o Presidente russo, Vladimir Putin, ter anunciado hoje a mobilização parcial de 300 mil reservistas e recordado a importância do arsenal nuclear do seu país como argumento face à contraofensiva ucraniana.

Em mensagem no Twitter, o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, advertiu que a paz mundial “está em perigo” pela “grave escalada” que implicam as últimas decisões do Kremlin.

“O anúncio de Putin sobre os referendos falsos [nos territórios separatistas russófonos ou ocupados pelas forças militares russas], a mobilização militar parcial e a chantagem nuclear são uma grave escalada”, considerou Borrell.

Vários países europeus interpretaram estes últimos anúncios como um sinal de debilidade por parte da Rússia, na sequência da contraofensiva desencadeada pelo exército ucraniano e que permitiu recuperar alguns territórios ocupados.

O chanceler alemão Olaf Scholz qualificou a convocatória de referendos em território ocupado e a mobilização de reservistas como um “ato de desespero”, enquanto o Presidente francês, Emmanuel Macron, lamentou “profundamente” estas medidas e pediu a todos os países do mundo que exerçam a “máxima pressão” sobre Putin.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.916 civis mortos e 8.616 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Recomendadas

Kyiv condena “detenção ilegal” do diretor geral da central de Zaporíjia

A Ucrânia condenou este sábado a “detenção ilegal” do diretor geral da central nuclear da Zaporijia, Ihor Mourachov, que foi preso na sexta-feira pela Rússia, que controla o local.

Ucrânia: Banco Mundial concede mais 540 milhões de euros a Kiev

O Banco Mundial anunciou que irá conceder um apoio adicional no valor de 530 milhões de dólares (540,6 milhões de euros) para permitir à Ucrânia “responder às necessidades urgentes causadas pela invasão russa”.

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.
Comentários