Direitos da EDP disparam 12,65% em corrida final, mas desceram 8,3% em oito sessões

No total foram 55.778 transações, num valor total de 46,94 milhões de euros com 502,13 milhões de direitos a trocarem de mãos. 

A última sessão de negociação dos direitos à subscrição do aumento de capital da EDP-Energias de Portugal foi uma corrida final para os queriam ter mais ou algum acesso à oportunidade de aproveitar o desconto na operação, levando a um disparo de 12,65% no preço de cada direito para 0,0971 euros.

No cômputo geral das oito sessões de negociação na Euronext Lisbon, no entanto, a evolução do preço foi negativa, descendo 8,31% da abertura de 0,1059 euros no dia 23 de julho até ao fecho desta segunda-feira.

A teoria é que os preços dos direitos em aumentos de capital seguem as cotações das ações principais. Neste caso, a tendência foi a mesma, mas mais não linear, pois as ações da EDP recuaram no mesmo período, mas apenas 4,354%, ligeiramente acima de metade da desvalorização dos direitos.

No total foram 55.778 transações, num valor total de 46,94 milhões de euros com 502,13 milhões de direitos a trocarem de mãos.

A EDP anunciou a 15 de julho a compra da elétrica espanhola Viesgo, avaliada em 2,7 mil milhões de euros, incluindo 1,1 mil milhões de dívida. No mesmo dia, a empresa portuguesa apresentou uma operação de aumento de capital de 1,02 mil milhões de euros, através da venda de 309,14 milhões de ações, para ajudar a financiar a operação sem se endividar mais.

A cada ação da EDP, detida até ao dia 20 de julho de 2020 inclusive, corresponde um direito de subscrição ao aumento. A partir de dia 23 de julho e até às 15h00 do dia 6 de agosto de 2020, os acionistas podem exercer os direitos que detêm, através de ordens de subscrição que podem ser revogadas ou alteradas até ao dia 5 de agosto, inclusive.

A outra fase que começa também no dia 23 de julho foi a negociação desses direitos de subscrição.  Os acionistas da EDP que não quiseram subscrever novas ações, total ou parcialmente, podiam vender os direitos de subscrição na Euronext Lisbon até à final de sessão de hoje, podendo também fazê-lo fora do mercado regulamentado. Desta forma, outros investidores (não acionistas), podem participar na operação.

A EDP explicou que “todos os investidores que participem na oferta poderão efetuar um pedido de subscrição adicional para o rateio das ações eventualmente sobrantes”, adiantando que “a atribuição destas ações será efetuada na proporção das respetivas subscrições, com arredondamento por defeito

Relacionadas

Moody’s diz que a compra da Viesgo é “moderadamente positiva” para a EDP

A agência também aponta que o negócio tem um “impacto neutro no perfil financeiro da EDP dado o financiamento parcial através” do aumento de capital. A Mooyd’s mantém inalterado o rating da elétrica com perspetiva estável.

Guia para “ir” ao aumento de capital da EDP. Subscrições e negociação dos direitos arrancam hoje

Começa hoje, e decorre até 6 de agosto, o período de subscrição do aumento de capital de 1,02 mil milhões de euros da EDP. Acionistas têm preferência, mas podem vender os direitos a outros interessados (até dia 3 de agosto). Veja aqui como funciona o processo.

China Three Gorges tem de investir 219 milhões para manter posição no capital da EDP. BCP tem de pagar 21 milhões

Os investidores da EDP vão ter de ir a jogo no aumento de capital no valor de mil milhões, ou ficam com a sua posição de capital diluída. Acionista chinês é quem vai ter de gastar mais dinheiro, seguido dos espanhóis da Oppidum Capital e dos norte-americanos da Blackrock.
Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.
Comentários