Direitos televisivos da Premier League vão a leilão por um valor que pode chegar a 6,7 mil milhões

Na corrida estão as habituais Sky e BT Sports. Mas as novas plataformas tecnológicas, como Amazon, Facebook, Netflix e até Twitter, também podem estar interessadas e fazer o preço a pagar chegar a um recorde.

A Premier League prepara-se para por à venda os direitos de transmissão televisiva do principal escalão do futebol inglês, para as épocas entre 2019 e 2022. Em concurso estão 200 partidas da Premier League, mais 32 do que a totalidade dos jogos actualmente transmitidos pela Sky e BT Sports. Estima-se que o negócio chegue aos 6,7 mil milhões de euros.

A Sky e a BT Sports terão que desembolsar milhares de milhões de euros para manterem os direitos televisivos da Premier League, que representam atualmente 32% do negócio televisivo dos dois canais britânicos, visto que na corrida prevê-se a entrada da Amazon, Facebook, Netflix e até do Twitter, segundo o organismo Ampere Analysis.

A consultora de media considera que o próximo leilão pelos direito televisivos da Premier League, deverá estabelecer um recorde no preço doméstico da transmissão televisiva na ordem dos 6,7 mil milhões de euros, o que representa um aumento de até 15% da venda de 2015.

De acordo com a Bloomberg, a Premier League vai colocar à venda sete modalidades de transmisão, sendo expectável que a Sky adquira entre quatro a cinco pacotes e a BT Sports outros dois ou três. A agência de notícias financeiras aponta que haverá um terceiro licitante a adquirir, pelo menos um dos sete pacotes. O mais provável é a Amazon.

Em entrevista ao Jornal Económico, o criador da Premier League, Rick Parry, afirma que um dos grandes fatores a ditar o sucesso desportivo e comercial do mais mediático campeonato de futebol no mundo “foi o crescimento exponencial da Sky Television, cujo acordo com a Premier League chegou a ser considerado o mais benéfico no que concerne ao desporto europeu, sem mencionar, claro, os ganhos que daí resultaram tanto para os clubes da Premier League como a própria Sky Television. Tem sido fantástico para todos”.

Resta saber, no final do novo leilão dos direitos televisivos, se os eventuais novos operadores conseguirão ser fieis ao conceito da Premier League, tal como tem sido até aqui a Sky.

Relacionadas

Como é que o futebol pode captar a atenção dos ‘millenialls’?

“Aumentar o tempo útil de jogo e diminuir as paragens será um desafio importante para o futebol se proteger na sua capacidade de captar a atenção das novas gerações”, defende Tiago Craveiro, CEO da FPF, em entrevista ao Jornal Económico.

“Receitas e talento”. Como pode a Liga portuguesa seguir os ‘passos’ da melhor Liga do mundo?

O Jornal Económico falou com Rick Parry, o ‘pai’ da Premier League, sobre quais os segredos do sucesso do melhor campeonato de futebol do mundo. Este dirigente esteve em Portugal para inaugurar a primeira formação executiva dirigida a CEO’s, gestores e dirigentes, promovida pela Federação Portuguesa de Futebol.
Recomendadas

Wolves. Maior fornecedor da Seleção Nacional está em crise profunda. Veja o “Jogo Económico”

Apenas uma vitória em oito jogos, após um investimento superior a 135 milhões de euros num plantel com alguns dos melhores futebolistas portugueses da atualidade. As dúvidas em torno deste projeto desportivo, aparentemente vital para as convocatórias da Seleção portuguesa, vão estar em debate neste edição.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Wolves. A um mês do Mundial, o maior fornecedor da Seleção Nacional está em crise profunda

A pouco mais de um mês para o Mundial, a Seleção portuguesa corre o risco de ter uma boa fatia dos convocados a lutar pela manutenção na Premier League. O Wolves tem alguns dos melhores jogadores portugueses da atualidade, com um forte investimento sobretudo em jogadores da Gestifute. Tema estará em debate na edição desta sexta-feira do programa “Jogo Económico”.
Comentários