Diretor da PSP quer mais equipamentos para polícias

O diretor nacional da PSP defendeu o reforço do equipamento dos polícias que integram os carros de patrulha e equipas de intervenção rápida.

O diretor nacional da PSP defendeu o reforço do equipamento dos polícias que integram os carros de patrulha e equipas de intervenção rápida, uma vez que são os primeiros a sentir os efeitos da violência dos crimes.

“Após o fim do confinamento temos assistido a uma preocupante tendência para o aumento da intensidade da violência usada para praticar crimes violentos, especialmente com recurso a armas brancas e de fogo. Assistimos igualmente a uma preocupante tendência para o desrespeito e hostilidade relativamente a intervenções legais e legítimas dos polícias”, disse Magina da Silva, na cerimónia do dia do Comando Metropolitano de Lisboa da Polícia de Segurança Pública (Cometlis), que decorreu na Amadora.

Nesse sentido, considerou que é necessário “reforçar a primeira linha de intervenção, especialmente equipando devidamente os polícias que integram os carros de patrulha e as equipas de intervenção rápida porque são eles os primeiros a sofrer o embate da intensidade da criminalidade”.

Para tal, sustentou, a PSP deposita “grande esperança” no diploma de programação de infraestruturas e equipamentos das forças e serviços de segurança para os anos de 2022 a 2026.

Também o comandante do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, Paulo Pereira, aproveitou a cerimónia para pedir mais veículos operacionais e meios que permitam uma manutenção dos carros que “correspondam às necessidades e exigências” do Cometlis.

“Precisamos de soluções ajustadas para manter a sua capacidade e autonomia logística e uma operacionalidade dos veículos que, por vezes, fica afetada em cerca de 40%”, disse.

Segundo Paulo Pereira, em média o Cometlis recebe 14 mil pedidos por mês referentes a solicitações, o que “leva obviamente ao acionamento de carros patrulhas para as mais diversas situações e algumas delas demoram horas para a sua resolução”.

O comandante do Cometlis afirmou ainda que é necessário “reforçar a capacidade de resposta com mais meios humanos no terreno”.

Também presente na cerimónia, o ministro da Administração Interna referiu que a Lei de Programação de Infraestruturas e Equipamentos das Forças e Serviços de Segurança, que este ano inicia um novo ciclo de investimento, vai permitir a realização de vários investimentos para a PSP, nomeadamente no distrito de Lisboa.

“A nova lei de Programação permite, entretanto, lançar já a empreitada de requalificação da Esquadra de trânsito da PSP em Caxias, no valor de 600.000 euros, a construção de um paiol para reforçar a segurança dos explosivos à guarda do Departamento de Armas e Explosivos da PSP, no valor de 250.000 euros, e a requalificação do edifício em Lisboa que irá receber, entre outras valências, o Departamento de Segurança Privada, cuja empreitada está a ser lançada no valor de 2,8 milhões de euros”, disse.

O ministro avançou também que está já concluído o processo relativo à construção, de raiz, da Divisão Policial da PSP em Odivelas, devendo ser lançada a empreitada, no valor de 10 milhões de euros, no decurso do próximo ano.

“Temos em fase de elaboração vários projetos de execução, de que destaco a reabilitação da Divisão Policial de Loures e a reabilitação e ampliação da Divisão Policial da Amadora, ambos num investimento que se estima será superior a dois milhões de euros”, afirmou.

Recomendadas

Reabilitação do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra já foi consignada

A primeira fase de reabilitação dos pavilhões do Centro Municipal de Desportos Náuticos de Coimbra, orçada em 338 mil euros, foi consignada hoje, revelou o município.

JMJLisboa2023. Portugal terá retorno económico de cerca de 350 milhões de euros

A Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que se realiza no próximo mês de agosto em Lisboa, vai ter um retorno económico para Portugal de cerca de 350 milhões de euros, revelou hoje o coordenador do evento nomeado pelo Governo.

Três desalojados após incêndio numa habitação no concelho de Pedrógão Grande

Três pessoas ficaram hoje desalojadas na sequência de um incêndio numa habitação em Troviscais Fundeiros, concelho de Pedrógão Grande, norte do distrito de Leiria, disse à agência Lusa fonte dos bombeiros locais.
Comentários