Diretor das secretas confirma: “há portugueses no Estado Islâmico”

Esta é a primeira vez que um alto dirigente assume que este fenómeno de radicalização e de recrutamento de cidadãos para a organização terrorista atingiu cidadãos portugueses.

Há vários portugueses a colaborar com o autodenominado Estado Islâmico a partir de Portugal. A informação foi avançada pelo diretor do Serviço de Informações de Segurança (SIS), Adélio Neiva da Cruz, que preferiu não adiantar qual o número real de radicalizados.

Esta é a primeira vez que um alto dirigente confirma as informações avançadas pelos meios de comunicação de que haveria cidadãos nacionais a radicalizarem-se no estado Islâmico e a colaborar com a organização terrorista em Portugal. Neiva da Cruz confirma também que muitos destes portugueses juntaram-se ao ISIS na Síria e no Iraque, depois de se terem radicalizado em Inglaterra e França.

Numa conferência pública na Universidade Nova, diretor do SIS acrescenta que “em Portugal, os casos identificados de radicalização são minoritários e a dimensão do problema não é comparável com o que se verifica em alguns países”.

Neiva da Cruz não adianta o número de radicalizados portugueses nem adianta se estas investigações são apenas as que já tinham sido divulgadas, sobre os jihadistas portugueses radicalizados no estrangeiro, ou se foram acrescentados novos casos.

Em 2015, no Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) já eram mencionados “casos de radicalização e conexões entre cidadãos e/ou estruturas, e organizações jihadistas de cariz transnacional”.

O diretor das secretas diz ainda que o número de partidas para a Síria diminuiu em mais de 50%, no último ano, o que se pode explicar com a “atual perda de território que o Daesh regista e também devido às medidas de caráter judicial e securitário adotadas pelos governos europeus”. Ao invés de apelar aos cidadãos europeus radicalizados para viajarem para a Síria, Neiva da Cruz afirma que o Daesh tem apelado “à prática de atentados no próprio país”.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários