Diretora financeira da Huawei acusada de fraude pelos EUA

Meng Wanzhou é acusada de “conspiração para defraudar diversas instituições financeiras”, passível de condenação a mais de 30 anos de prisão. A empresa tecnológica chinesa terá utilizado uma outra empresa, a SkyCom, para violar as sanções económicas impostas ao Irão.

As autoridades fiscais dos EUA acusam a diretora financeira (CFO) da Huawei, Meng Wanzhou, de práticas de fraude, por alegadamente ter tentado contornar as sanções económicas impostas ao Irão. A empresa tecnológica chinesa terá utilizado uma outra empresa, a SkyCom, para violar as sanções ao Irão. Como tal, os EUA pediram ao Canadá a detenção e extradição de Wanzhou.

A diretora financeira da Huawei foi detida no Canadá, a 1 de dezembro, a pedido dos EUA, como parte de uma investigação mais ampla sobre um suposto plano da empresa chinesa de utilização do sistema financeiro internacional para contornar as restrições impostas por Washington a Teerão. De acordo com a Reuters, a SkyCom terá tentado vender equipamento norte-americano ao Irão.

A Huawei é o segundo maior fabricantes de smartphones do mundo e a detenção da respetiva CFO gerou quedas em várias bolsas de valores. Wanzhou é acusada de “conspiração para defraudar diversas instituições financeiras”, passível de condenação a mais de 30 anos de prisão, segundo informou um dos advogados do Governo canadiano, na audiência judicial realizada ontem em Vancouver.

Recomendadas

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.

Número de trabalhadores em layoff clássico cai 6% em agosto

Os empregadores recorreram menos ao layoff clássico em agosto do que no mês anterior. Caiu 6% o número de trabalhadores abrangidos.

Teixeira dos Santos defende que aumentar pensões e Função Pública não alimentaria inflação

Em entrevista ao Público, o ex-ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos não só não acredita que aumentar as pensões e os salários da Função Pública alimentaria a espiral inflacionista, como atira que o Governo tem de esclarecer melhor o argumento utilizado pelo Governo para limitar as atualizações regulares a que os pensionistas teriam direito.
Comentários