Discotecas e bares fecham a partir de 25 de dezembro

O primeiro-ministro garante que haverá apoios às empresas de diversão noturna, quer em termos de lay-off simplificado quer no âmbito do programa Apoiar. “Esta nova variante suscita muitas interrogações e é muitíssimo mais transmissível do que a variante Delta”, alertou António Costa sobre a Ómicron.

As discotecas  e bares vão encerrar mais cedo do que estava previsto para reduzir a propagação do vírus. Já a partir da meia noite de dia 25 de dezembro, os espaços de diversão noturna têm de fechar portas devido ao avanço da variante Ómicron.

“Esta nova variante suscita muitas interrogações e é muitíssimo mais transmissível do que a variante Delta. A má notícia é que a taxa de incidência tem vindo a crescer. A boa notícia é que, com a testagem massiva, o famoso Rt [índice de transmissibilidade] tem vindo a diminuir”, disse esta terça-feira o primeiro-ministro, António Costa, no briefing do Conselho de Ministros extraordinário.

Desde dia 1 de dezembro que para entrar em discotecas e bares em Portugal é obrigatório apresentar um teste negativo, mesmo para as pessoas vacinadas, ou certificado de recuperação, tal como acontece com as visitas a lares, visitas a pacientes internados em estabelecimentos de saúde, grandes eventos sem lugares marcados (ou em recintos improvisados) e recintos desportivos. O presidente da Associação de Bares e Discotecas da Movida do Porto (ABDMP), Miguel Camões, antecipou que esta medida tenha provocado “quebras de clientela e faturação acima dos 60%, chegando nalguns casos aos 90%”.

Apesar de o Governo ter decidido esta terça-feira, em reunião extraordinária do Conselho de Ministros, agravar ainda mais as medidas de contenção da Covid-19, o primeiro-ministro garante que haverá “apoios às empresas” de diversão noturna, quer em termos de lay-off simplificado quer no âmbito do programa Apoiar.

As discotecas e bares estiveram 18 meses sem poder exercer a sua atividade normal e acabaram por ter autorização para reabrir a 1 de outubro, no âmbito da última fase do processo de desconfinamento em Portugal. No entanto, desde logo foi necessário apresentar um certificado digital de vacinação contra a Covid-19 para pode frequentar estes espaços.

“Chegamos a uma fase onde, desaparecendo a generalidade das limitações impostas pela lei, entramos essencialmente numa fase de responsabilidade individual de cada uma e de cada um de nós. Não podemos esquecer que a pandemia não acabou e que podendo considerá-la controlada a partir do momento em que tenhamos 85% da população vacinada o risco permanece”, referiu António Costa, no final de setembro, aquando do anúncio da reabertura das discotecas.

Notícia atualizada às 17h15

Discotecas antecipam arranque do ano desafiante enquanto aguardam por apoios do Estado

Recomendadas

Conferência do Jornal Económico debate os grandes temas de 2023

O auditório principal do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) recebeu na passada sexta-feira, 16 de setembro, a conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Primeiro-ministro espanhol testou positivo à Covid-19

Sánchez não disse se estava a sentir-se doente ou se iria cancelar outros compromissos na próxima semana.

Portugal registou 18.315 mil casos e 37 mortes de Covid-19 na última semana

A Direção-Geral da Saúde contabilizou mais 2.049 infeções em comparação à semana anterior.
Comentários