Discurso da Rainha: maior investimento na saúde, condenações contra terroristas mais pesadas e ação climática na agenda do novo Governo

Dois meses depois, a Rainha Isabel II volta a discursar em público. A monarca apresentou os projetos de lei que o Governo pretende ver aprovados e que têm o Brexit, o Serviço Nacional de Saúde e outros gastos públicos no topo das prioridades.

REUTERS/Hannah McKay/Pool

Tal como em todas as eleições no Reino Unido, a Rainha Isabel II voltou a discursar ao público para apresentar projetos de lei que o Governo pretende ver aprovados e que, no caso do Executivo de Boris Johnson, têm o Brexit, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e outros gastos públicos no topo das prioridades. prioridade do meu governo é garantir a saída do Reino Unido da União Europeia a 31 de janeiro”, garantiu.

Durante o discurso que decorreu nesta manhã de quinta-feira, na Câmara dos Lordes, em Londres, a monarca disse que o governo vai empreender um “programa ambicioso” de reformas domésticas que responde “às prioridades do povo”, focando-se no financiamento do Sistema Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês). A rainha anunciou um investimento plurianual no Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS, sigla em inglês) de 33,9 mil milhões de libras (39,8 mil milhões de euros) até 2023. Este será o maior investimento realizado no saúde até hoje.

A monarca anunciou também um reforço nos recursos humanos “e um novo visto vai garantir que médicos, enfermeiras e profissionais de saúde qualificados têm a entrada facilitada no Reino Unido”. A rainha acrescentou ainda, que será criado “um sistema moderno, justo e baseado em pontos” para permitir a entrada de trabalhadores qualificados. O governo vai ainda passar uma lei de emprego, que vai “proteger e aumentar os direitos dos trabalhadores quando o Reino Unido sair da União Europeia”.

Em relação a questões de segurança, a rainha disse que o governo vai criar uma comissão para rever e melhorar a eficiência e eficácia do processo de justiça criminal. “Novas leis de sentenças vão garantir que os criminosos mais violentos, incluindo terroristas, vão cumprir sentenças mais longas”, afirmou a monarca anunciando a meta de Boris Johnson de um mínimo de 14 anos de prisão.

Sobre alterações climáticas, no discurso diz que o governo “vai continuar a tomar medidas para alcançar o objetivo de um balanço zero de emissões de gases de efeito de estufa até 2050”. O Reino Unido quer assumir um papel de liderança na resposta às mudanças climáticas.

Recomendadas

Consórcio confirma existência de petróleo em São Tomé e Príncipe

O consórcio é composto pela Galp STP (operador) com 45% de interesses participativos, Shell STP com 45%, e a ANP–STP, em representação do Estado são-tomense, com 10% de interesses participativos.

Bósnia-Herzegovina: eleições ensombradas por milhares de votos inválidos

Quatro dias após as eleições, ainda não há resultados validados e o risco do não reconhecimento do ato eleitoral ou da sua repetição é grande. Entretanto, na República Srpska, Mirolad Dodic jura fidelidade a Moscovo.

Lado turco de Chipre exige reconhecimento às forças de paz da ONU

A República Turca do Chipre do Norte, país que só a Turquia reconhece, quer que a força de paz da ONU, que está no terreno desde 1964, reconheça a existência do país. Ou então que se retire.
Comentários