Disney organiza viagem que vai consumir 462 toneladas de carbono. Bilhetes custam 107 mil euros

A viagem dura 24 bilhetes e por pessoa serão consumidas 6,2 toneladas de carbono – mais do que a maioria da população mundial consome em um ano.

A Disney vai organizar uma viagem pelo mundo e que vai levar ao consumo de 462 toneladas de carbono em apenas 24 dias – mais do que a maioria das pessoas em todo o mundo consomem em um ano inteiro, em média. Cada bilhete está a ser vendido por 110 mil dólares (107 mil euros), informa o jornal “The Guardian” esta segunda-feira, 25 de julho.

A viagem é limitada a 75 pessoas e passa por 12 resorts da Disney em seis países, de três continentes. Os voos vão ser realizados num Boeing 757, com a presença do staff da produtora “que [vai] providenciar diversão e descrições [dos locais visitados], permitindo-te ficares imerso em cada local que visitas”.

De acordo com uma análise do grupo Transporte e Ambiente (T&E), a viagem totaliza 31.500 quilómetros, o que significa o consumo de 462 toneladas de dióxido de carbono, resultando numa média de 6,2 toneladas por pessoa – o equivalente a 20 vezes o que uma pessoa com um salário baixo consome, em média, durante um ano inteiro.

Um porta-voz da Disney referiu, citado pelo diário britânico “The Guardian”, prometeu que a empresa vai monitorizar os valores das emissões de carbono, falando num “comprometimento com a proteção do planeta e permitir o legado de um ambiente positivo para gerações futuras.”

Recomendadas

Grupo da transportadora aérea Sevenair aumenta receitas devido aos cursos de piloto

A Sevenair Academy viu o EBITDA fixar-se ligeiramente acima dos 2 milhões de euros no ano passado.

Sérgio Figueiredo contratado para consultor de Fernando Medina

O contrato estende-se por dois anos e Sérgio Figueiredo deverá receber um ordenado equiparado ao de um ministro.

SINTAC reúne com DGERT e ANA/VINCI para discutir serviços mínimos a assegurar agosto

Em causa estão ainda outras medidas defendidas pelo sindicato, desde o aumento de salários, para fazer face à inflação, até ao reforço dos recursos humanos.
Comentários