Disneyland Paris recruta em Portugal

A Disneyland Paris está a organizar uma sessão de recrutamento em Lisboa, marcada para os dias 13 e 14 de janeiro de 2015. Muitas são as ofertas disponíveis, para diversos tipos de contratos (consoante o período de permanência) para as seguintes áreas: hotelaria, restauração, e vendas;  e para as seguintes funções: operador-animador M/ F, chef […]

A Disneyland Paris está a organizar uma sessão de recrutamento em Lisboa, marcada para os dias 13 e 14 de janeiro de 2015. Muitas são as ofertas disponíveis, para diversos tipos de contratos (consoante o período de permanência) para as seguintes áreas: hotelaria, restauração, e vendas;  e para as seguintes funções: operador-animador M/ F, chef de cozinha M / F, ajudante de chef M / F, recepcionista M / F, vendedor M / F, entre outros. Para participar na sessão de recrutamento,  os interessados deverão efectuar a sua candidatura online até ao dia 5 de janeiro de 2015. A Disneyland Paris pode propor, se necessário, soluções de alojamento para os colaboradores (as condições serão especificadas durante a sessão de recrutamento). A Disneyland Paris é o primeiro destino turístico na Europa, conta com mais de 500 profissões, 100 nacionalidades , 15 mil colaboradores e recruta anualmente cerca de 8 mil pessoas.

OJE/Lusa

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.