PremiumDisrupção: o trio de fintech que já atraiu 500 mil portugueses

Revolut, N26 e Monese vêem espaço para crescer em Portugal. Ao JE, dizem que novos serviços e custos reduzidos são chave para atrair ‘millennials’.

Mais de meio milhão de portugueses já utilizam as três principais fintech que operam no mercado nacional. É verdade que, a comparar com a banca tradicional, este é um número tímido. Mas, em defesa destes agentes de disrupção da indústria financeira está o facto de terem sido chegado a Portugal apenas na segunda metade desta década. Com a digitalização, a espinha dorsal da Revolut, da N26 e da Monese, que lhes permite ganhos de escala eficientes, servindo milhões de clientes com uma única plataforma tecnológica, a três empresas dizem ao Jornal Económico que a adesão em Portugal só poderá aumentar.

“Ainda há muito espaço para crescer”, referiu Sarunas Legeckas, diretor geral da N26 para o mercado português. A ambição destas fintech não é nacional nem regional, é global.

Entre estas três novas estrelas da tecnologia financeira, a Revolut lidera em número de clientes no nosso país, com cerca de 380 mil. A Monese já supera os cem mil, dez vezes mais do que tinha em fevereiro. A N26 prefere não divulgar números, mas disse que irá estar próxima dos cem mil clientes até ao final do ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Empresas precisam de mudanças que deem sinal de esperança, diz bastonária dos contabilistas

Paula Franco tem “expectativa” de que no próximo Orçamento do Estado sejamos “surpreendidos com medidas que aumentem a confiança”.

Governo quer prolongar Programa Regressar e aumentar o benefício do IRS Jovem

O Governo quer prolongar o regime fiscal associado ao programa Regressar e aumentar o benefício anual do IRS Jovem, segundo a proposta do acordo de rendimentos e competitividade que está a ser hoje discutida na Concertação Social.

Apoios às famílias: “Vamos até onde podemos ir”, diz Medina

O ministro das Finanças é ouvido esta quarta-feira pelos deputados da Comissão de Orçamento e Finanças da Assembleia da República. Fernando Medina fala nesta comissão uma semana depois de ter sido apresentado o pacote de medidas de apoio às famílias e a menos de um mês do prazo de entrega da proposta de Orçamento do Estado para 2023 (OE2023).
Comentários