Distribuidor ou Gestor?

Gestos simples podem fazer a diferença na gestão do seu tempo e do da sua empresa.

“Não tenho tempo! Queria ter mais tempo para os clientes, mas não tenho tempo. Queria parar e (re)pensar a minha estratégia comercial a medio / longo prazo (já que a curto prazo não há tempo), mas não tenho tempo. Queria controlar o meu negócio, mas não tenho tempo.”

Ultimamente e à medida que os processos digitais das seguradoras avançam no sentido da redução de papel e na transferência digital de informação, as “queixas” desde o back office aos quadros de topo nas empresas de mediação de seguros são recorrentes, sendo que nalguns casos se aceita até esta realidade como zona de conforto:

“Como estou sempre muito ocupado, estou no bom caminho”.

Obviamente que existe alternativa ao papel, às listagens sempre desatualizadas, ao tempo consumido em tarefas administrativas desenhadas noutro tempo e noutra realidade que já não volta.

A tecnologia, e não precisa de ser a versão que ainda ninguém inventou, já é capaz de reorganizar de cima a baixo o processo de gestão administrativa nas empresas de mediação, o que é preciso é decidir se queremos continuar a ser apenas distribuidores de seguros, ou se passamos a gestores de empresas cujo objetivo com um serviço de qualidade e de acordo com as regras do regulador, é aumentar exponencialmente a carteira de seguros a par da retenção e fidelização dos ativos angariados.

Se queremos ser apenas distribuidores, pouco é necessário alterar, a não ser aplicar a continua redução de custos no negócio até ao limite de já não haver mais cortes a fazer.

Se por outro lado, queremos implementar uma gestão proativa e posicionarmo-nos na linha da frente na resolução antecipada dos problemas que consomem tempo sem acrescentar valor, integrando e analisando a informação prestada pelas seguradoras e formatando respostas para o cliente, sim existe alternativa, e o papel principal (não o da resma que está na gaveta) começa, não na tecnologia, que sim é uma ferramenta essencial, mas no decisor e na sua capacidade de se reinventar liderando a sua equipa num processo gradual de adaptação aos desafios atuais e futuros.

Atingida a velocidade de cruzeiro no controle do negócio, passa a haver tempo para a prospeção de mercado e deteção de novas oportunidades construindo equipas orientadas para tarefas comerciais incluindo a retenção, fidelização e a venda de produtos não obrigatórios, hoje já cruciais para trazer valor às empresas.

E o software? Sem gestores e equipas orientadas, é como o papel, escrevemos e depois fica a ocupar espaço na secretária.

Miguel Pinheiro, Sales Manager Lluni Software

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Lluni.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Greve dos trabalhadores da CP e IP suprimiu 394 comboios até às 12:00

“Até às 12:00, circularam 164 comboios, todos de serviços mínimos”, destacou a mesma fonte, indicando que o “total programado até esta hora era de 558 comboios”.

EDP: “A Europa teve sorte este inverno, não vai haver problemas de abastecimento”

“Europa já está livre da dependência do gás da Rússia”, disse hoje Joana Freitas da EDP Produção.
Comentários