Dívida da Administração Pública da Madeira aumentou 3,8% para 5.3 milhões de euros

A DREM explica que, como em março de 2022 houve uma emissão obrigacionista de 260,0 milhões de euros destinada à amortização de dívida da APR representada por empréstimos contraídos anteriormente e em carteira, este “aumento deverá ter caráter transitório e ser esbatido até final do ano de 2022”.

No final do primeiro trimestre de 2022, a dívida bruta da Administração Pública Regional (APR) ficou nos 5.269,0 milhões de euros, um aumento de 194,2 milhões de euros, ou mais 3,8%, face ao final do trimestre anterior e um aumento de 200,6 milhões de euros, ou seja, 4,0% comparativamente ao período homólogo, são os dados hoje divulgados pela Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM).

No entanto, a autoridade regional explica que, como em março de 2022 houve uma emissão obrigacionista de 260,0 milhões de euros destinada à amortização de dívida da APR representada por empréstimos contraídos anteriormente e em carteira, este “aumento deverá ter caráter transitório e ser esbatido até final do ano de 2022”.

A DREM estabeleceu ainda uma análise da evolução da composição da dívida bruta por instrumento financeiro, observando que o peso dos empréstimos diminuiu de 51,6% para 45,1% entre o primeiro trimestre de 2021 e o período homólogo de 2022. No que diz respeito à dívida titulada, o efeito foi o inverso: no mesmo período, esta subiu de 48,4% para 54,9%.

O Governo Regional é responsável por 91,8% do total da dívida e as Empresas Públicas classificadas no perímetro da APR são responsáveis por 8,2%. No trimestre homólogo, o executivo foi responsável por 90,5%  e as empresas públicas da APR por 9,5%.

Recomendadas

Companhia aérea espanhola Binter inaugura três novas rotas a partir da Madeira

A companhia aérea espanhola Binter inaugura este fim de semana um programa especial de verão na Madeira, realizando duas novas ligações diretas às Canárias e uma a Marrocos

Funchal: Coligação Confiança lamenta chumbo da proposta para estender manuais escolares gratuitos ao secundário

O Vereador Miguel Silva Gouveia destaca que com esta reprovação da proposta da Confiança, os estudantes do ensino secundário do Funchal não terão acesso a manuais escolares gratuitos no próximo ano letivo 2022/2023, nem sabem quando é que esse direito, que já é uma realidade a nível nacional, se cumprirá na Madeira.

Deco diz que a crise é uma realidade e os consumidores enfrentam cada vez mais dificuldades

A atuação da Deco passa pela análise da situação específica do consumidor com dificuldades financeiras ou endividado e pelo contacto com as entidades credoras com o objetivo de efetuar uma reestruturação dos contratos de crédito/dívidas e encontrar formas que permitam ao consumidor cumprir com as suas obrigações.
Comentários