Dívida da GreenVolt com rating de “investment grade” pela EthiFinance

“Este rating, que nos coloca como um investimento de qualidade para os investidores no mercado de dívida, é extremamente importante para a GreenVolt”, diz na nota João Manso Neto.

A GreenVolt – Energias Renováveis recebeu o seu primeiro rating, de BBB-, com Outlook Estável, atribuído pela EthiFinance.

A classificação atribuída pela agência de notação financeira europeia coloca a dívida em “investment grade”, e a empresa liderada por João Manso Neto diz que é o “reflexo da confiança na estratégia delineada para o segmento das energias renováveis, o moderado nível de endividamento necessário para implementar essa mesma estratégia e a solidez da estrutura acionista”.

A classificação de BBB-, com Outlook Estável, “traduz a confiança da agência de notação financeira europeia na capacidade de crescimento da GreenVolt no segmento das energias renováveis com um nível moderado de endividamento”, refere a empresa.

“Este rating, que nos coloca como um investimento de qualidade para os investidores no mercado de dívida, é extremamente importante para a GreenVolt”, diz na nota João Manso Neto. “Não só reconhece o trabalho já feito, como revela confiança na estratégia definida para o crescimento da empresa. E vem ajudar a concretizá-lo, abrindo-nos as portas para realizarmos novas emissões de dívida no futuro”, acrescenta o CEO da GreenVolt.

A EthiFinance justifica a classificação com o objetivo da GreenVolt de “passar de ser um produtor de energia especializado no segmento da biomassa para também ser um promotor de projetos em vários segmentos do mercado das energias renováveis”. É um “momento importante aquele em que a empresa se encontra, com significativos investimentos na aquisição de ativos”, acrescentam os analistas Carlos Sanjuán Martin e Guillermo Cruz Martínez em comunicado

“Será esta a estratégia que permitirá à empresa implementar o seu plano de crescimento”, refere a GreenVolt.

Esta avaliação feita pela EthiFinance, “juntamente com o compromisso renovado dos acionistas de referência aquando do aumento de capital de 100 milhões de euros, leva a agência a atribuir à GreenVolt uma classificação de investment grade, rating que vem permitir abrir portas a novas emissões de dívida que possam contribuir para a implementação da estratégia de crescimento delineada, que acelerou nos últimos meses perante o surgimento de novas oportunidades potenciadas pelo REPowerEU, anunciado pela Comissão Europeia”, acrescenta em comunicado a empresa de energias renováveis.

“O nível de diversificação da empresa, tanto em termos de negócios quanto em termos geográficos, oferece um elevado potencial de crescimento no curto e médio prazo”, diz a agência EthiFinance, salientando o objetivo da GreenVolt de “gerar fluxos de caixa operacionais que vão contribuir positivamente para uma adequada situação financeira, apesar de manter uma moderada alavancagem”.

A GreenVolt, negociada na Bolsa de Lisboa desde julho de 2021, tendo integrado o PSI em setembro desse ano, “tem feito uso do mercado de capitais no financiamento da sua atividade, e do seu crescimento, seja através da emissão de novas ações, seja de obrigações. Em novembro de 2021, concluiu com sucesso uma emissão de obrigações verdes (green bonds), a sete anos, num montante global de 100 milhões de euros, com uma taxa de juro de 2,625%”.

Recomendadas

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 

Equinix cria fundo solidário de 50 milhões para promover a inclusão digital

A empresa de tecnologia norte-americana criou uma nova estrutura de apoio educativo. O conselho de administração da fundação irá, todos os anos, determinar o montante de doações da fundação, de modo a cobrir a concessão de contribuições ou a correspondência com as ofertas dos colaboradores.

Tecnológica portuguesa Innowave compra Cycloid

Desde 2018 que o grupo tem uma forte estratégia de M&A. “Esta aquisição é mais um passo na nossa estratégia de crescimento, materializada também na criação de centros de competência em Portugal, como é o caso de Lisboa, Porto, Coimbra, Faro e Beja”, afirmou o CEO da Innowave, Tiago Gonçalves.
Comentários