Dívida direta do Estado diminuiu 0,4% para 269.129 milhões de outubro para novembro

A dívida direta do Estado era de 269.129 milhões de euros em final de novembro, menos 0,4% face a outubro, divulgou esta segunda-feira o IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública.

A redução é justificada, segundo o IGCP, sobretudo pelas amortizações da série de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável em 1.500 milhões de euros e de Bilhetes do Tesouro (BT 19 Nov 2021) no montante de 752 milhões de euros.

Contudo, essas amortizações foram parcialmente compensadas pelo aumento do saldo de Obrigações do Tesouro devido a emissões de 686 milhões de euros (OT 0.3% Out 2031) e de 314 milhões de euros (OT 4.1% Abr 2037).

Ainda de acordo com o IGCP, o saldo de Certificados Especiais de Dívida de Curto Prazo (CEDIC) aumentou 24 milhões de euros e o saldo de Certificados de Aforro (CA) cresceu 20 milhões de euros. Já o saldo de Certificados do Tesouro (CT) diminuiu 10 milhões de euros.

Quanto às contrapartidas das contas margem recebidas no âmbito de derivados financeiros, registaram um aumento de 92 milhões de euros.

A entidade dirigida por Cristina Casalinho diz ainda que “o ‘stock’ de dívida aumentou em 73 milhões de euros pelo efeito decorrente das flutuações cambiais da generalidade dos instrumentos de dívida denominados em moeda não euro avaliados ao câmbio do último dia de novembro”.

O instituto refere também que, “incorporando o efeito cambial favorável da cobertura de derivados, correspondente ao valor nocional dos swaps de cobertura de capital, que ascendeu a 467 milhões de euros em novembro, o valor total da dívida após cobertura cambial situou-se em 268.662 milhões de euros, diminuindo em 0,43% face ao mês precedente”.

Recomendadas

Fitch: Crise energética e custo de financiamento conduzem a recessão na Europa Ocidental ainda este ano

A agência de rating estima que o crescimento real médio do PIB da região é de apenas 0,8% em 2023, significativamente abaixo dos 3,8% em 2022. “Acreditamos que a zona do euro entrará em recessão a partir do quatro trimestre de 2022”, acrescenta.

Circulação paga do Jornal Económico dispara 23% desde janeiro

A subida da circulação paga do Jornal Económico contraria a tendência do sector e deveu-se às assinaturas digitais, que tiveram um crescimento de 2,9%, mas também às vendas da edição impressa, que registaram um aumento de 19% face ao primeiro trimestre do ano. Este desempenho compara com a descida de 5,8% na circulação paga do líder de mercado, o “Jornal de Negócios”.

Governo alarga prazos de pagamento do IMI e do IUC para 2 de dezembro

“Não são devidos quaisquer juros ou penalidades associados a este alargamento dos prazos”, diz o Ministério das Finanças em comunicado. Em causa estão os “constrangimentos informáticos verificados temporariamente no Portal das Finanças na manhã de quarta-feira, 30 de novembro”. Prazo terminava ontem.
Comentários