Dívida do BPP ao Estado atinge juros de 150 milhões

“Público” revela que o Estado está perto de recuperar a garantia pública de 450 milhões de euros concedida ao banco.

Lusa

O Estado tem a receber juros superiores a 150 milhões de euros do Banco Privado Português (BPP), revela hoje o “Público”. O jornal revela que o Estado está perto de recuperar a garantia pública de 450 milhões de euros concedida ao banco. Mas os juros só deverão ser recuperados em parte, pois não existem bens suficientes para cobrir a sua totalidade.

Os representantes dos credores comuns do BPP asseguram que vão contestar em tribunal o pagamento dos juros, apesar de previsto na lei.

Estes juros tiveram origem no empréstimo de 450 milhões de euros pedido pelo BPP no final de 2008 junto de um sindicato de seis bancos, com o valor a ser garantido pelo Estado. Em abril de 2010, o Banco de Portugal retirou ao BPP a autorização para o exercício da atividade bancária. O banco faliu e o sindicato bancário acionou a garantia com o Estado português obrigado a pagar.

Recomendadas

Oitante antecipa pagamento integral de empréstimo obrigacionista de 746 milhões. Estado poupa 110 milhões em juros

O reembolso antecipado da dívida da Oitante “faz cessar as responsabilidades do Fundo de Resolução e do Estado Português relativamente a essa dívida, permite importantes poupanças financeiras e faz perspetivar a recuperação de uma parte significativa dos 489 milhões de euros desembolsados pelo Fundo de Resolução, em 2015, no financiamento da resolução do Banif”, diz BdP.

Exposição a imobiliário comercial continua a ser proeminente nos bancos, diz DBRS

A divulgação das exposições a imobiliário comercial da banca permanece geralmente limitada na Europa, no entanto, “reconhecemos que, nos últimos anos, os reguladores e supervisores aumentaram o nível de escrutínio, harmonização e transparência”, diz a DBRS.

BCE quer evitar que bancos beneficiem da arbitragem de juros com o financiamento barato obtido na pandemia

Segundo o Financial Times, o BCE vai analisar como é que vai bloquear o acesso dos bancos a este financiamento que é subsidiado e que, segundo os analistas contactados pelo FT, poderá gerar lucros extraordinários de 24 mil milhões de euros para o sector.
Comentários