Dívida do Estado, empresas e particulares cai para 795,5 mil milhões de euros

Olhando para os diferentes segmentos, o endividamento do sector público e privado baixou, mas o dos particulares aumentou 352 mil milhões de euros, o que representa uma subida de 4,2% relativamente ao período homólogo, mas menos 0,2 pontos percentuais do que em junho.

O endividamento do sector não financeiro (administrações públicas, empresas e particulares) reduziu-se 2.256 milhões de euros em julho, para 792.504,97 milhões, informou esta quarta-feira o Banco de Portugal (BdP).

Olhando para os diferentes segmentos, o endividamento do sector público baixou 1.172 milhões para 356.555 milhões de euros — que se deveu essencialmente a uma “redução do endividamento perante o exterior em 1.300 milhões de euros” —, enquanto o endividamento do sector privado caiu 1.084 milhões para 435.949 milhões de euros, fruto da queda do endividamento em 1.400 milhões de euros “principalmente junto do sector financeiro e do exterior”, refere o comunicado.

Em sentido inverso, o endividamento dos particulares aumentou 352 mil milhões de euros, o que representa uma subida de 4,2% relativamente ao período homólogo, mas menos 0,2 pontos percentuais do que em junho.

O BdP vai atualizar em 24 de outubro as estatísticas relativas ao endividamento do sector financeiro.

Recomendadas

Euro cai para novo mínimo de 20 anos depois de viragem à direita em Itália

O euro reagiu hoje com um novo mínimo de vinte anos à viragem à direita em Itália depois da vitória nas eleições gerais de domingo da coligação formada pelos Irmãos de Itália (FdI), a Liga e Forza Italia (FI). O euro caiu hoje até ao mínimo de 0,9551 dólares, mas recuperou novamente e estava a […]

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Sentimento económico na Alemanha deteriora-se em setembro

O declínio do sentimento económico está a afetar os quatro setores da economia, com as empresas a avaliarem os seus negócios atuais como claramente piores.
Comentários