Dívida. FMI mais pessimista que Governo

O FMI piorou as estimativas para a dívida pública portuguesa deste ano e do próximo, mantendo-se mais pessimista do que o Governo e prevendo que continue a representar mais de 125% do PIB nos dois anos. Segundo o World Economic Outlook de outubro, a instituição liderada por Christine Lagarde piorou as estimativas para a dívida […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O FMI piorou as estimativas para a dívida pública portuguesa deste ano e do próximo, mantendo-se mais pessimista do que o Governo e prevendo que continue a representar mais de 125% do PIB nos dois anos.

Segundo o World Economic Outlook de outubro, a instituição liderada por Christine Lagarde piorou as estimativas para a dívida pública portuguesa, prevendo que atinja os 127,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 e os 125% em 2016.

No relatório sobre a segunda missão de monitorização pós-programa divulgado em agosto, quando foram conhecidas as últimas previsões da instituição sobre a dívida pública portuguesa, o Fundo antecipava que a dívida pública atingisse os 127,1% do PIB em 2015 e os 124,4% do PIB em 2016.

Assim, o Fundo continua mais pessimista do que o Governo liderado por Pedro Passos Coelho, que prevê uma redução da dívida pública para 125,2% do PIB este ano (de acordo com a segunda notificação a Bruxelas no âmbito do Procedimento por Défices Excessivos) e para 121,5% no próximo (segundo o Programa de Estabilidade 2015-2019).

OJE

Recomendadas

NATO alerta para o risco de dependência económica e tecnológica da China

Os países-membros da NATO discutiram hoje as suas relações com a China e sublinharam que Pequim “não é um adversário” dos aliados, mas alertaram para uma possível dependência económica e tecnológica do país asiático.

Estado islâmico anuncia morte do líder do movimento ‘jihadista’

O grupo Estado Islâmico (EI), derrotado no Iraque e na Síria, anunciou hoje a morte do líder do movimento ‘jihadista’, o iraquiano Abu Hassan al-Hashimi al-Qurashi, especificando que foi morto “enquanto lutava contra os inimigos de Alá”.

Rishi Sunak considera “incomportável” aumento salarial pedido por enfermeiros

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, considerou hoje “insensato e incomportável” o pedido de aumento salarial de 19% feito pelo sindicato de enfermeiros Royal College of Nursing (RCN), que convocou uma greve para dezembro.