Dívida pública aumenta mais de mil milhões, mas rácio em função do PIB cai no primeiro trimestre

A dívida pública em função do PIB caiu pelo quarto trimestre seguido, em linha com as projeções do Governo que colocam este rácio em 120,7% no final do ano.

A dívida pública portuguesa aumentou 1,2 mil milhões de euros em março, reporta o Banco de Portugal (BdP) esta segunda-feira, chegando assim aos 276 mil milhões de euros no período em análise. Ainda assim, o rácio de dívida reduziu-se para 127% do PIB no primeiro trimestre do ano, acrescenta o BdP.

“Este acréscimo refletiu, essencialmente, emissões de títulos de dívida no valor de 0,9 mil milhões de euros e o recebimento de uma nova tranche do empréstimo da Comissão Europeia (0,5 mil milhões de euros) ao abrigo do instrumento europeu SURE”, explica a nota estatística desta segunda-feira.

No mês anterior, a dívida pública portuguesa havia ficado nos 274,8 mil milhões de euros, segundo os dados do BdP. Recorde-se que o ano anterior fechou com um rácio de 127,5% do PIB para este indicador, com o Ministério das Finanças a projetar uma trajetória de redução que leve a dívida pública aos 120,7% no final de 2022.

O Programa de Estabilidade 2022-2026 prevê ainda que o indicador se aproxime dos 100% do PIB em 2026, ultrapassando economias como Espanha, Bélgica e França no processo e abandonando o grupo de países com um rácio de dívida pública mais elevada na zona euro.

Este valor recuou 0,4 pontos percentuais no primeiro trimestre do ano, descendo para 127% e alcançando um ciclo de quatro trimestres seguidos de redução deste rácio, depois do grande aumento gerado pela pandemia e que levou a dívida pública em função do PIB a um máximo histórico de 135,2%.

Olhando para o indicador líquido de depósitos, a dívida pública diminuiu 0,4 mil milhões de euros, para 253,8 mil milhões de euros, reporta o BdP.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Fórum Seguros: “Dinheiro gerado deve ser investido em fundos que contribuem para a neutralidade carbónica”

Sofia Santos sublinhou o papel que as seguradoras têm, tendo em conta os riscos de transição, para ajudar os seus clientes a incorporar os riscos climáticos através dos produtos apresentados.

Preços na produção industrial aumentaram mais de 24%

Segundo o INE, o resultado deveu-se à “evolução dos preços da Energia e dos Bens Intermédios”.
Comentários