Dívida pública caiu para 117,7% do PIB no ano passado, de 122% em 2018

O INE adiantou que prevê que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020. A informação foi divulgada na primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos.

Cristina Bernardo

O peso da dívida pública caiu para 117,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, de 122% no ano anterior, segundo dados provisórios divulgados esta quarta-feira pelo Insitituto Nacional de Estatística (INE).

O INE adiantou que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020.

O rácio da dívida pública na ótica de Maastricht continua assim a trajetória descendente, tendo diminuido de 131,5% em 2016 e 126,1% em 2017.

A elevada dívida das Administrações Públicas tem sido apontada pelas agências de rating, instituições internacional e analistas como um dos principais fardos da economia portuguesa.

A 20 de fevereiro, o Banco de Portugal tinha informado, no Boletim Estatístico, que o peso da dívida pública caiu para 118,2% em 2019.

[Atualizada às 11h16]

Relacionadas

Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.
Recomendadas

“Senhor PRR” alerta que guerra e inflação são riscos acrescidos ao plano

O novo presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) considera que a guerra na Ucrânia e a inflação são riscos acrescidos ao plano que precisam de estratégias para serem mitigados.

Pedro Dominguinhos é o novo presidente da comissão de acompanhamento do PRR

A Comissão Nacional de Acompanhamento do PRR era presidida por António Costa Silva, que entretanto tomou posse como ministro da Economia e do Mar no atual Governo.

PremiumIndefinição no SEF gera críticas pela degradação do serviço

Novo adiamento da extinção do SEF leva partes interessadas a questionarem a degradação dos serviços. Agendamentos para reagrupamento familiar chegam a demorar um ano a marcar.
Comentários