Dívida pública encolhe para 126,7% do PIB no segundo trimestre

A dívida pública voltou a encolher, no segundo trimestre do ano. Os dados do Banco de Portugal mostram que totalizou 126,7% do PIB, entre abril e junho de 2022.

Pelo quinto trimestre consecutivo, a dívida pública encolheu. A nota divulgada esta segunda-feira pelo Banco de Portugal indica que, entre abril e junho de 2022, a dívida pública totalizou 126,7% do Produto Interno Bruto (PIB), o que significa que houve uma redução de 0,3 pontos percentuais face ao final do trimestre anterior.

Depois de ter registado agravamentos sucessivos durante o primeiro ano da pandemia e o início do segundo, a dívida pública, em percentagem de PIB, tem estado a cair desde o segundo trimestre de 2021. E de acordo com os dados do Banco de Portugal, o segundo trimestre de 2022 foi sinónimo da continuação dessa trajetória descendente, com uma redução de 0,3 pontos percentuais.

A diminuição da dívida pública tem sido assumida como uma das prioridades do Governo, contando o ministro das Finanças, Fernando Medina, atingir um rácio de 120,7% do PIB no final desde ano. O objetivo, tem sido sublinhado, é retirar Portugal do grupo das economias com maior dívida pública da Europa. Até 2026, Medina quer que a dívida pública portuguesa passe a totalizar 101,9% do PIB.

Ainda assim, é importante notar que, segundo a nota divulgada esta segunda-feira, em junho, a dívida pública, na ótica de Maastricht, aumentou 0,2 mil milhões de euros, atingindo os 280,6 mil milhões de euros.

“Este acréscimo refletiu, essencialmente, as emissões de títulos de dívida, que superaram as amortizações em 0,5 mil milhões de euros”, explica o banco central português. Já as responsabilidades em depósitos e empréstimos caíram 0,2 e 0,1 mil milhões de euros, respetivamente, destaca a mesma entidade.

Por outro lado, os depósitos das Administrações Públicas aumentaram 2,4 mil milhões de euros, acrescenta o BdP. E conclui: “Deduzida desses depósitos, a dívida pública diminuiu 2,2 mil milhões de euros, para 252,5 mil milhões de euros.”

(Notícia atualizada às 11h21)

Recomendadas

Foram detidos 119 suspeitos por crime florestal este ano

O ministro da Administração Interna afirma que, devido às investigações em curso, o número de detenções pode subir.

Aramco: petrolífera saudita com lucro recorde de 48,4 mil milhões

Subida dos preços do petróleo com a guerra na Ucrânia e a elevada procura pós-pandemia levam lucros da petrolífera saudita a disparar 90% no segundo trimestre.

PremiumInflação nacional em novo máximo, enquanto abranda nos EUA e Alemanha

A média dos últimos onze meses, sem a parte habitacional, ultrapassa já os 5% e agosto dificilmente contraria esta tendência.
Comentários