PremiumDividendos da banca: o regresso ao passado?

Greed is good, disse a personagem Gordon Gekko, no filme Wall Street. Os acionistas gostam de ser renumerados pelo investimento que fazem, algo que, na última década, a maioria dos bancos ‘portugueses’ não tem feito, mas que poderão retomar no próximo ano. Com “prudência”, avisa o regulador.

Greed is good, disse a personagem Gordon Gekko, no filme Wall Street. Os acionistas gostam de ser renumerados pelo investimento que fazem, algo que, na última década, a maioria dos bancos ‘portugueses’ não tem feito, mas que poderão retomar no próximo ano. Com “prudência”, avisa o regulador.

A exceção tem sido Santander Totta que entregou cerca de mil milhões de euros à casa-mãe espanhola.

A adocicar as esperanças dos acionistas, estão o Millennium bcp e a Caixa Geral de Depósitos.

O presidente do BCP, Miguel Maya, revelou que o banco poderá pagar dividendos em 2019, numa altura em que o banco mantém a meta de distribuir 40% dos lucros até 2021.

Já o banco público, que desde 2010 não paga um cêntimo ao Estado, deverá pagar entre 150 a 200 milhões de euros aos cofres estaduais, tal como previsto no OE 2019.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.

Juro médio dos novos depósitos de particulares dispara em outubro para máximo de cinco anos

Segundo os dados divulgados hoje pelo Banco de Portugal (BdP), “em outubro o montante de novos depósitos a prazo de particulares foi de 4.726 milhões de euros, remunerados a uma taxa de juro média de 0,24%”.

PremiumBanca antevê dificuldades em identificar todos os clientes em 45 dias

Os bancos têm 45 dias para verificar se têm clientes do crédito à habitação que qualifiquem para efeitos da aplicação do diploma do Governo, mas o apuramento dos rendimentos reais é um obstáculo.
Comentários