O que dizem os jornais, esta segunda-feira?

Conheça aqui os principais títulos do dia.

Hoje, 21 de novembro, na capa do Diário de Notícias: “Subsídio parental com atraso de dois meses.”. Em relação à dívida, o jornal indica que “Juros a dez anos próximos dos 4%. Custo subiu 20% num mês”.

O Público faz manchete com a notícia de que “Pedidos para anular casamentos católicos dispararam em 2016″. Na mesma edição, destaque para “TAP em Bolsa só quando valer 1200 milhões”.

O Jornal de Negócios escreve que “Chineses da Fosun assumem rédeas do BCP”; “Comércio e serviços escapam ao novo IMI” e ainda sobre a CGD: “Centeno adia Caixa sem ok de Bruxelas”.

No Correio da Manhã: “Precários do Estado efetivos em 2018. Medida abrange cerca de 30 mil professores” e “CGD recebe dinheiro fresco em março”.

O Jornal de Notícias revela: “Jogo ilegal nos cafés dá 500 queixas por ano”. O diário escreve também sobre educação: “Alunos vão aprender para que servem os serviços secretos”.

O jornal I apresenta hoje uma entrevista a Pacheco Pereira. O matutino faz também capa com a notícia de que a “Polícia vigia restaurantes de José Avillez”.

Recomendadas

OE2023. PSD faz aprovar dedução ao IRS com gastos em assinaturas de jornais e revistas

O PSD conseguiu hoje fazer aprovar uma alteração ao orçamento que permite às famílias abater ao IRS parte dos gastos com assinaturas periódicas de jornais e revistas, incluindo as digitais, sendo para isso necessário a respetiva fatura.

Team Passos contra Team Costa e um ex-Governador pelo meio. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes”

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Associated Press demite repórter responsável pela história de ‘mísseis russos’ na Polónia

A única exceção à regra contra a utilização de uma fonte única, de acordo com a declaração de valores e princípios de notícias da AP, é quando “o material vem de uma figura de autoridade que fornece informações tão detalhadas que não há dúvida da sua precisão” – uma situação que aparentemente não ocorreu, pois a peça foi totalmente retratada.
Comentários