O que dizem os jornais, esta segunda-feira?

Conheça os principais títulos do dia.

Hoje, 28 de novembro, na capa do Diário de Notícias: “Falta de apoio político faz cair administração da Caixa”. Em relação às eleições primárias franceiras, o jornal indica que “Fillon já se imagina no lugar de Hollande”.

O Público faz manchete com a notícia de que “Demissão e BCE deixam CGD em risco de vazio de poder”. Na mesma edição, destaque para “Funerárias suspeitas de pagarem comissões a polícias”.

O Jornal de Negócios escreve “Fora da Caixa: Domingues ameaçou na quinta e demitiu-se na sexta”; “Os seguros PPR já não rendem. E agora?”. O diário tem ainda uma conversa com Luís Portela.

No Correio da Manhã: “Ataque às contas no Multibanco”; “António Domingues demite-se da Caixa”; “Marcelo não vai ao funeral de Fidel” e “Mulheres recebem menos 256 euros/mês”

O Jornal de Notícias revela: “Carros elétricos passam a pagar para abastecer. A partir do próximo ano, carregamentos na via pública deixarão de ser suportados pelo Estado”. O diário escreve também sobre saúde: “Um terço dos hospitais sem equipas para os paliativos”.

O jornal I apresenta um dossiê especial para guardar sobre Fidel Castro. O matutino faz também capa com a notícia de que a “PSD recusa-se a aceitar «não» de Santana a Lisboa” e “Cinco mil crimes nas escolas portuguesas levam a reativar Escola Segura

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.
Comentários