Do 5G à IA: que tendências vão dominar o panorama digital das empresas em 2019?

A Equinix prevê que as empresas entrarão no reino das arquitecturas de inteligência artificial (IA) distribuídas, fisicamente mais próximas da origem dos dados.

A evolução tecnológica e as novas tendências como o 5G, a inteligência artificial (IA), o Blockchain, a privacidade dos dados e a Cloud, estão a pavimentar o caminho para as mudanças significativas que se avizinham, em termos de TI e arquitectura de rede. Foi neste âmbito que a Equinix divulgou as suas principais previsões para 2019.

A Equinix antecipa que o 5G trará “possibilidades infinitas em termos de transformação digital, especialmente num mundo conectado através da IA e da IoT”. A Equinix prevê a realização, em 2019, de investimentos crescentes na reforma das infraestruturas celulares existentes e na construção de novas infraestruturas Edge, bem como em inovação e redes sem fios virtuais.

A Equinix prevê que as empresas entrarão no reino das arquitecturas de inteligência artificial (IA) distribuídas, fisicamente mais próximas da origem dos dados. De modo a aceder a múltiplas fontes de dados externas para poderem efectuar previsões mais precisas, as empresas voltar-se-ão para os mercados de transacção de dados seguros, que também irão alavancar a inovação no domínio da IA em múltiplas Clouds públicas.

Progressivamente, as empresas começarão a participar em várias redes Blockchain (por exemplo: segurança alimentar, serviços financeiros, transporte global de contentores). O desempenho do Blockchain irá tornar-se “um requisito mais importante dentro do espaço corporativo, impulsionado pela necessidade de acomodar mais do que simples dados de transacções, ou como um elemento de aplicações que requerem elevado desempenho em tempo real e a ligação a outras fontes de dados”.

Exemplos de aplicações Blockchain sensíveis ao desempenho são, por exemplo, as comunicações IoT ou as operações cambiais transfronteiriças. A integração “será um enorme desafio, pois as empresas vão querer conjugar as suas aplicações legacy com as várias redes Blockchain, tornando necessária a implementação de pontos de intercâmbio, para que os participantes se conectem e colaborem directamente”.

Muitas empresas e provedores de SaaS estão a implementar mini-clouds em várias regiões, a fim de aderirem aos requisitos locais de residência e conformidade dos dados.

A Equinix antecipa que, para evitarem a violação dos dados, as empresas terão de considerar novas técnicas de gestão de dados que operem em elementos criptografados, assim como novas tecnologias de virtualização baseadas em hardware que impeçam os provedores de serviços de vigiar os dados de seus clientes.

As empresas estão a aceder a soluções de SaaS, IaaS e PaaS de vários provedores, e a Equinix prevê que 2019 verá o próximo nível de desafios associados às abordagens de nuvem híbrida e multicloud. A Equinix acredita que as empresas terão dificuldade em expandir os seus perímetros de segurança, enfrentando problemas de integração e gestão, à medida que buscam arquitecturas multicloud híbridas.

Estas tendências apontam para a necessidade de capacitar a segurança, análise e intercâmbio de dados nas proximidades da Cloud, de modo a assegurar o fluxo transfronteiriço de dados.

PCGuia
Recomendadas

Nextbitt quer ganhar terreno no exterior enquanto investe no desenvolvimento tecnológico aliado à sustentabilidade

Numa conversa com jornalistas durante a manhã desta quarta-feira, Miguel Salgueiro, partner da NextBITT, deu a conhecer a estratégia delineada pelo grupo para a evolução da sua oferta e da sua plataforma visando os desafios ambientais com os quais o sector se depara.

Mercado das Tecnologias da Informação vai ultrapassar os 5 mil milhões em Portugal este ano, estima IDC

Os especialistas da consultora anteveem ainda que a transformação digital vá representar metade de todo o investimento nacional em TIC o até o final de 2025.

5G pode impactar PIB português em 18 mil milhões de euros até 2030, estima Ericsson

Apesar do enorme potencial, Andrés Vicente, CEO da Ericsson Iberia, aponta severos atrasos na implementação desta tecnologia em Portugal e na Europa. “Ao contrário de outras economias europeias, Portugal não colocou o 5G como vetor independente do PRR”, alerta este responsável em entrevista ao JE.
Comentários