Doenças cardiovasculares: responsáveis por mais de 30% das mortes

O Centro de Estudos de Doenças Crónicas recebeu a menção honrosa na categoria Investigação e Desenvolvimento no FNA com o projeto Poli4Hiper. Fique a conhecer melhor.

As doenças cardiovasculares constituem um grupo de doenças que afetam o coração e os vasos sanguíneos e são um importante problema de saúde, uma vez que, globalmente mais de 30 % das mortes estão relacionados com DCV, e a sua incidência aumenta dramaticamente com o envelhecimento da população.

Devido à sua prevalência, e ao aumento previsto na próxima década, o estudo e a procura de melhores tratamentos para as DCV têm ganho um maior interesse por parte dos setores académico e farmacêutico.

Estudos epidemiológicos têm mostrado uma relação benéfica consistente entre o consumo de frutas e vegetais e uma redução do risco DCVs. Estes efeitos têm sido associados à presença de uma classe de compostos muito abundante nas frutas e vegetais, os polifenóis. Os pequenos frutos são particularmente ricos nestes compostos e desta forma são considerados muito interessantes para o estudo dos seus efeitos benéficos.

Conheça melhor o projeto no vídeo em cima, onde estivemos à conversa com Cláudia Nunes dos Santos, Investigadora Principal do CEDOC e Andreia Gomes, aluna do CEDOC.

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com o Food & Nutrition Awards.

Recomendadas

Que impacto terá o novo Orçamento de Estado para as famílias? Descubra no Webinar de 14 de Outubro!

Save the date! É já no próximo dia 14 de outubro, às 15h00, o Webinar dedicado ao impacto que o Orçamento de Estado para 2023 irá ter sobre as famílias portuguesas.

A Mobilidade elétrica acelera a descarbonização das empresas

Na sua definição mais simples, descarbonizar significa “tirar carbono a”. E no caso da energia, significa que cada vez mais, queremos trocar as energias fósseis, que emitem gases de efeito estufa, por mais energias verdes, renováveis.

Euribor em máximos de uma década

O que pode fazer para cobrir a subida dos juros do seu empréstimo à habitação?
Comentários