Doenças crónicas, prevenção e preços mais altos são os principais desafios dos seguros de saúde

“Chamamos seguro de saúde, mas na verdade estamos a financiar o tratamento da doença”, lamentou o CEO da AdvanceCare no evento “Fórum Seguros 2022”, organizado pelo Jornal Económico.

Cristina Bernardo

Os seguros de saúde estão a crescer em Portugal, mas têm custos mais elevados para as pessoas e para as empresas e continuam a enfrentar desafios, entre os quais envolver métricas de prevenção e responder aos doentes crónicos. Para os endereçar, os presidentes do grupo Future Healthcare e AdvanceCare defendem uma maior interoperabilidade entre outros agentes do sector e a introdução de gamificação que ajude os clientes a manterem um estilo de vida saudável.

“É importante ter uma atitude de prevenção para garantir um envelhecimento de qualidade. Em termos de produtos, é necessário encontrar soluções como outros países têm. Se queremos aceder a outro tipo de serviços e acesso a diferentes serviços médicos é preciso encontrar uma solução de poupança que depois possa cobrir esse tipo de necessidades”, sugeriu José Pina, fundador e CEO do grupo Future Healthcare.

Para o CEO da AdvanceCare, o uso de gamificação (“jogos” online que levem os clientes a ter hábitos de vida saudáveis, entre os quais alimentação adequada, exercício físico regular e horas de sono recomendadas) e programas de apoio aos doentes crónicos são duas soluções, num momento em que o sector da saúde enfrenta o desígnio das doenças crónicas, a principal causa de morte em Portugal.

“Chamamos seguro de saúde, mas na verdade estamos a financiar o tratamento da doença. Temos de trabalhar os eixos de prevenção para que se reduzam os custos, a população seja mais saudável e tenha mais qualidade de vida”, afirmou José Pedro Inácio, no evento “Fórum Seguros 2022”, organizado esta quarta-feira pelo Jornal Económico.

José Pina concordou e alertou ainda para os preços: “Já se sente o aumento”. “O custo médio está mais elevado do que em 2019 e 2020. Há uma pressão da inflação e da subida de custos das seguradoras, mas os clientes têm de continuar a ter capacidade de pagar. É um equilíbrio difícil de fazer, que requer negociações”, advertiu o número um da Future Healthcare.

Em evolução à adesão aos seguros de saúde, a dupla de oradores desta conferência concordou que os seguros de saúde já registavam um crescimento anual significativo, de 6% a 8% no período pré-pandemia, que foi impulsionado com a Covid-19. Ainda assim, a principal mudança sentiu-se no paradigma de consumo.

“O consumidor está a mudar e tem mais noção das coberturas de risco nas suas apólices. Há uma mudança de paradigma do que o segurado quer e daquilo que as seguradoras lhe têm de dar. Não é tanto no diário, a consulta de pediatria ou de ortodontia (o chamado “pacote pré-pago”), mas o risco sério, porque é nos capitais de internamento onde está o verdadeiro risco”, argumentou José Pedro Inácio, CEO da AdvanceCare. Ademais, acelerou a digitalização: hoje 40% dos clientes da AdvanceCare usa plataforma digitais e 80% dos reembolsos são feitos online.

Por sua vez, José Pina disse que a pandemia impactou a perceção dos cidadãos sobre a saúde e o acesso aos cuidados, gerou uma tendência crescente da penetração de seguros de saúde na população portuguesa, mas também houve uma “resposta positiva” das companhias de seguros, com adaptação da oferta e financiamento de testes à Covid-19.

“O sector da saúde está a sofrer uma transformação na forma como entrega os seus serviços. As seguradoras – que já o estão a fazer porque é um processo – têm de se transformar também e incluir uma interoperabilidade para haver maior capacidade para entregar serviços médicos”, propõe o CEO do grupo Future Healthcare.

Até porque continua a ser o benefício extrassalarial mais valorizado pelos trabalhadores das empresas, de acordo com os diversos estudos de mercado.

Relacionadas

Alteração da percepção de risco foi ponto positivo da pandemia, destaca responsável da Prévoir Portugal

No painel “Novos Paradigmas: ramo vida e seguros de pensões”, do Fórum Seguros organizado pelo Jornal Económico, debateram-se as perspectivas de futuro para estes dois ramos. A literacia financeira mas também as exigências dos novos consumidores são temas que estão no foco das seguradoras.
Recomendadas

PremiumAuditoria ao Novobanco há meses à espera do Parlamento

A terceira auditoria da Deloitte ao Novobanco foi entregue aos deputados em abril, mantendo-se como confidencial de forma provisória. Desde então, o tema não voltou a ser discutido.

BdP rejeita subida significativa do incumprimento no crédito à habitação

Questionado sobre se espera um aumento do incumprimento das famílias no crédito habitação, devido ao aumento das taxas de juro, uma vez que a maioria daquele tipo de crédito em Portugal é contratualizado com taxas variáveis, Mário Centeno disse que “a resposta breve é não”.

Bloomberg: Novobanco escolhe shortlist de potenciais compradores para a sede

O Novobanco já pré-selecionou a shortlist de candidatos à compra da sua sede em Lisboa, avança a Bloomberg que cita fontes familiarizadas com o assunto. A Vanguard passou à fase das propostas vinculativas.
Comentários