Dona da Louis Vuitton quer comprar a Tiffany

Avaliada em 11,9 mil milhões de dólares, a Tiffany representaria não apenas a maior aquisição de sempre do grupo francês LVMH, como aumentaria a exposição ao mercado norte-americano, que representa já a segunda maior região de vendas, depois da Ásia.

Tiffany

O grupo francês LVMH, dono da Louis Vuitton, estará em negociações para comprar a Tiffany & Co, com o objetivo de entrar no mercado norte-americano de jóias, naquela que seria a maior aquisição de sempre do grupo, noticia o Financial Times, este domingo.

Avaliada em 11,9 mil milhões de dólares, a Tiffany representaria não apenas a maior aquisição de sempre do maior grupo no segmento de luxo – que detém ainda marcas como a Dior, Givenchy, Marc Jacobs e Céline, entre outras -, como aumentaria a exposição ao mercado norte-americano, que representa já a segunda maior região de vendas, depois da Ásia.

Segundo o jornal britânico, no entanto, não há ainda garantias de que o acordo seja fechado. O reforço na área da relojoaria e joalharia surge depois da LVMH ter comprado em 2011 a marca italiana Bulgari, por 5,2 mil milhões de dólares.

Fundada em 1837 por Charles Lewis Tiffany, a empresa de joalharia norte-americana é conhecida pela loja na Quinta Avenida em Manhattan, tendo-se tornado icónica após o romance “Breakfast at Tiffany’s”, de Truman Capote, que originou o filme com Audrey Hepburn.

Recomendadas

Grupo SATA integra projeto Cluster Grace Açores

Associados e membros do cluster partilham boas-práticas e desenvolvem sinergias com o objetivo de colocar os temas da Agenda 2030, 2050 e ESG (Environmental, Sustainability and Governance) como prioritários nas agendas das empresas.

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.
Comentários