PremiumDona da Universidade Europeia quer desinvestir na Europa. Portugal está na lista

Laureate vai centrar-se em mercados de maior crescimento. IPAM e IADE também são do grupo.

O grupo Laureate International Universities é a maior rede mundial de ensino privado universitária. Está presente em 20 países, integra mais de 55 instituições de ensino e um milhão de estudantes, mas quer centrar as suas atividades em mercados de maior crescimento, desinvestindo em mercados como o europeu, onde se inclui Portugal.

Embora o nome de Portugal não figure no comunicado distribuído à imprensa durante a sessão de apresentação dos últimos resultados trimestrais, está implícito na lista de países europeus onde o grupo pontifica, juntamente com Espanha, Turquia e Reino Unido.

“Após a saída bem-sucedida das regiões-alvo, o grupo centrará as suas operações no Brasil, Chile, México e Peru, juntamente com as instituições educacionais que juntam formação presencial e online nos Estados Unidos e na Austrália”, explicou Eilif Serck-Hanssen, CEO do Laureate Education.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários