Dona do Facebook despede 11 mil trabalhadores. Leia aqui a carta do CEO à equipa (com áudio)

Mark Zuckerberg reconhece “mudanças difíceis” na tecnológica norte-americana que detém as redes sociais Instagram, WhatsApp e Facebook. Contratações estão suspensas, pelo menos, até ao primeiro trimestre de 2023.

5. Mark Zuckerberg

A Meta, proprietária da rede social Facebook, vai despedir 11% da sua força de trabalho, o que significa que 11 mil funcionários da tecnológica norte-americana estão de saída. Já se sabia que a empresa se preparava para anunciar cortes, mas os números finais foram revelados esta quarta-feira pelo CEO.

“Hoje estou a partilhar algumas das mudanças mais difíceis que fizemos na história da Meta”, começou por dizer Mark Zuckerberg, numa carta enviada à equipa. “Decidi reduzir o tamanho da nossa equipa em cerca de 13% e dispensar mais de 11 mil dos nossos talentosos trabalhadores. Estamos também a implementar várias medidas adicionais para nos tornarmos uma empresa mais eficiente, cortando despesas discricionárias e alargando o congelamento de contratações até o primeiro trimestre”, anunciou.

No terceiro trimestre desde ano, o lucro da Meta tombou 52%, em termos homólogos, para 4,4 mil milhões de dólares, e as receitas da empresa foram de 27,7 mil milhões de dólares, menos 4,5% do que no mesmo período de 2021. Em fevereiro, o Facebook perdeu utilizadores ativos pela primeira vez em 18 anos, no entanto a Meta diz que, diariamente, 2,93 mil milhões de pessoas utilizam uma das suas aplicações (Instagram, Messenger, WhatsApp).

“Vou olhar para o nosso desempenho comercial, eficiência operacional e outros fatores macroeconómicos para decidir se e quando devemos voltar às contratações. Isso dar-nos-á a capacidade de controlar a nossa estrutura de custos no caso de uma desaceleração económica contínua. Colocar-nos-á também no caminho para alcançar uma estrutura de custos mais eficiente do que a que apresentámos aos investidores recentemente”, explicou o CEO sobre o regresso ao recrutamento, na mesma missiva.

Os profissionais visados por estes cortes serão contactados por carta individual, a esclarecer os termos da rescisão, e terão oportunidade de marcar uma reunião com um responsável sobre o assunto. Apesar de ainda não haver detalhes sobre o processo em Portugal, nos Estados Unidos a empresa vai pagar 16 semanas de salário base mais duas semanas adicionais para cada ano de serviço, cobrir cuidados de saúde para colaboradores e famílias durante seis meses, dar três meses de apoio à carreira e auxílio em casos de imigração (empregados com visto de trabalho no estrangeiro).

Leia aqui a carta de Mark Zuckerberg aos trabalhadores da Meta

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários