Dona do Minipreço corrige contas e reduz lucros em 20 milhões de euros

A cadeia de supermercados DIA decidiu que tinha estimativas demasiado otimistas nas contas de 2017. Os lucros passaram de 110 para 90 milhões de euros.

O grupo de retalho DIA – Distribuidora Internacional de Alimentación reduziu os seus lucros líquidos para o ano fiscal de 2017 de 110 milhões de euros para 90 milhões de euros, após um ajuste de 20 milhões de euros correspondentes em grande parte às estimativas demasiado otimistas em relação aos descontos comerciais a serem recebidos de fornecedores.

O grupo também decidiu reduziu o efeito do património líquido negativo de 70 milhões de euros para aproximadamente 56 milhões de euros, atribuível em grande parte ao negócio na Península Ibérica.

O efeito no resultado do exercício de 2017, no montante de 20 milhões de euros, reflete-se também sobre as reservas (36 milhões de euros), num montante de 18 milhões de euros (24 milhões de euros antes do efeito fiscal) correspondentes a faturas pendentes de recebimento de fornecedores que estavam sujeitas a registo em períodos diferentes.

Os restantes 18 milhões de euros (20 milhões de euros antes do efeito fiscal) correspondem a estimativas de várias provisões.

De acordo com o grupo, essas correções, ainda provisórias, têm como objetivo alocar a cada ano as receitas e despesas que lhes correspondem, mas em nenhum caso envolvem movimentações de caixa, segundo cita a imprensa espanhola.

As ações da retalhista estão a cair 3,98% na bolsa de Madrid, para 0,845 euros.

Recomendadas

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

Sindicato dos Pilotos diz que “enquanto uns têm cortes brutais no seus vencimentos” e ainda há “processos de despedimento em curso”, renova-se o parque automóvel dos cargos de direção “com 79 viaturas”.

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.

Sindicato diz que renovação da frota automóvel da TAP é ética e moralmente condenável

Num comunicado aos associados que a Lusa teve acesso, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) assinala que “foi com enorme estupefação e uma boa dose de vergonha alheia que os sindicatos, os trabalhadores do grupo TAP e os contribuintes portugueses foram confrontados com uma notícia que pode até ter uma rebuscada justificação económica, mas que é ética e moralmente condenável”.
Comentários