Empresa dona do Zmar entrou em insolvência. Credores têm até 12 de abril para reclamar créditos

O administrador de insolvência diz que o objetivo é voltar a reabrir as portas do eco camping resort. Os credores reúnem-se no dia 27 de abril para decidir o futuro da empresa. A Deco aconselha os consumidores interessados e que disponham de créditos a contactarem o administrador de insolvência através de carta registada ou de correio eletrónico.

Federico Fioravanti/Unsplash

A empresa dona do Zmar entrou em insolvência, a Multiparques a Céu Aberto. O eco camping resort fica localizado perto da Zambujeira do Mar, concelho de Odemira, distrito de Beja.

A insolvência da Multiparques a Céu Aberto – Campismo e Caravanismo em Parques foi pedida pela Ares Lusitani. O juízo de Odemira, do Tribunal de Beja, proferiu sentença a 11 de março a ditar a insolvência da empresa dona do Zmar.

Entre os seus credores estão a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), o site de reservas Booking, a fornecedora de eletricidade e gás natural Iberdrola, o Novo Banco, o Turismo de Portugal e a Noniussoft, software e consultoria para telecomunicações.

Os credores têm até ao dia 12 de abril para reclamar créditos, e a Deco aconselha os consumidores que estiverem interessados em exigir a devolução de pagamentos já efetuados a dirigirem-se ao administrador de insolvência, Pedro Pidwell da Silva

“Os consumidores interessados podem efetuar a reclamação de créditos que disponham até ao dia 12 de Abril, devendo dirigir-se, através de carta registada com aviso de receção ou correio eletrónico, acompanhada da documentação relevante para apreciação do crédito, ao administrador de insolvência nomeado”, segundo a associação de proteção ao consumidor. Para mais informações, consulte a página da Deco.

Questionado pelo Jornal Económico, o administrador de insolvência do Zmar revelou que no dia 27 de abril vai ter lugar a “assembleia de credores, órgão máximo do processo de insolvência, que irá deliberar sobre os destinos da empresa”, mas que o objetivo é voltar a reabrir portas, o que só poderá acontecer depois de dia 27 de abril e se os credores assim o entenderem.

“Neste momento, estamos a laborar com o propósito de reabrir o Zmar assim que for possível”, disse por email Pedro Pidwell da Silva. Contactada diretamente pelo Jornal Económico, a empresa não respondeu às questões colocadas até à publicação desta notícia. A troca de comunicação eletrónica feita com o administrador de insolvência foi realizada com um responsável do Zmar em CC (com conhecimento) no email.

O Zmar abriu as portas em 2009, num investimento de 30 milhões de euros e conta com uma extensão de 81 hectares, 280 casas em madeira e um parque aquático com três piscinas, ficando localizado na Herdade A-de-Mateus na estrada entre a Zambujeira do Mar e Vila Nova de Milfontes, mas mais próximo da primeira. Perto do eco camping resort é realizado anualmente em agosto o festival de música Sudoeste. A Multiparques é administrada por Francisco Melo Breyner, fundador do Zmar.

Desde o início de 2020 que a dona do Zmar é detida em 56,6% pela Ares Lusitani, sociedade detida a 100% pela Hipoges, controlada pelo fundo norte-americano Kohlberg Kravis Roberts (KKR), conforme revelou na altura o Jornal de Negócios. Esta participação era detida pela Cravex que a vendeu depois de ter entrado em insolvência e foi comprada pela Ares Lusitani por 3,2 milhões de euros.

Recomendadas

CP alerta para perturbações na circulação entre 8 e 17 de fevereiro devido a greves

A empresa indicou também que a informação será atualização, caso venham a ser definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral.

TAP. Estado é pessoa de bem e vai cumprir o acordado relativamente ao bónus, diz Governo

O ministro deslocou-se hoje a Castelo Branco, para se reunir com autarcas da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB) sobre a estratégia para o desenvolvimento da ligação transfronteiriça – IC31.

PremiumFusão da Cabo Verde Telecom adiada

O Jornal Económico sabe que o mês de fevereiro chegou a estar previsto para a concretização da fusão das três operadoras de telecomunicações de Cabo Verde, mas a data ficou sem efeito. Não haverá despedimentos.
Comentários