Donald Trump prepara primeira investida comercial na China

O presidente norte-americano vai pedir ao seu principal consultor de negócios para decidir se devem ser investigadas as práticas comerciais chinesas que forçam as empresas americanas a ceder direitos de propriedade intelectual.

O presidente norte-americano, Donald Trump, está pronto para lançar a sua primeira grande ação comercial voltada para a China na próxima segunda-feira, obrigando o seu principal negociador comercial a iniciar uma investigação sobre as regras de propriedade intelectual que Pequim usa para forçar os investidores estrangeiros a transferir tecnologias valiosas.

Donald Trump vai pedir ao seu principal consultor de negócios para decidir se devem ser investigadas as práticas comerciais chinesas que forçam as empresas americanas naquele país a ceder os seus direitos de propriedade intelectual, de acordo com a informação veiculada por altos funcionários da Casa Branca, este fim de semana.

A decisão acontece num momento em que as relações entre os Estados Unidos da América e a China são pautadas pelas ameaças de Pyongyang. Prevê-se que a norma tenha o apoio do Congresso e o de uma grande parte da comunidade empresarial norte-americana, que se tem queixado sobre as regras de patentes e direitos de autor na China.

O presidente dos Estados Unidos vai assinar um memorando executivo a pedir que Robert Lighthizer, o seu representante comercial, considere utilizar um estatuto de 1974. A medida pode levar a um aumento nas tarifas sobre os produtos chineses.

Assim, a próxima segunda-feira vai ser marcada pelo início de um processo e, dentro de algumas semanas, espera-se que seja lançada uma investigação formal que pode durar até um ano e que incluirá negociações com Pequim e consultas mais amplas com as empresas.

 

Relacionadas

China só se mantém neutra se Pyongyang atacar os EUA

Jornal do Partido Comunista da China (citado pela agência Lusa) antecipa qual deve ser a resposta da China caso EUA ou Coreia do Norte passem das palavras aos atos.

Sanções à Coreia levam EUA a parar investigação de “injustiças comerciais” chinesas

Fontes da Casa Branca indicam que a pressão comercial de Washington em avançar com “sanções” unilaterais contra empresas chinesas foi o impulso que faltava para persuadir a China a aceitar as sanções económicas impostas pela ONU.
Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários