Donald Trump reafirma acordo comercial com Xi Jinping: “Está concluído, está só a ser traduzido”

“Teremos uma cerimónia de assinatura, sim”, referiu o presidente norte-americano. Geng Shuang, porta-voz do governo chinês, disse esta quarta-feira que os dois países estão em contacto.

A China confirmou esta quarta-feira que está “em estreita comunicação” com os Estados Unidos da América (EUA) a propósito da assinatura do acordo comercial entre os dois países. Geng Shuang, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, disse que Pequim e Washington têm estado em contacto, dando fundamento às declarações proferidas ontem por Donald Trump.

“As equipas económicas e comerciais de ambos lados estão em estreita comunicação sobre os detalhes das preparações para a assinatura do acordo e outros trabalhos de acompanhamento”, referiu Geng Shuang, numa conferência de imprensa na capital chinesa, divulgada pela imprensa internacional.

O acordo está anunciado, pronto, mas falta traduzir e rubricar. A cerimónia de assinatura deverá acontecer já na primeira semana de janeiro de 2020.

Na véspera de Natal, o presidente dos EUA disse que iria ter um evento ele com o seu homólogo chinês, Xi Jinping, para assinar a primeira fase do acordo comercial, tornado público há cerca de duas semanas. “Teremos uma cerimónia de assinatura, sim. (…) Quando nos reunirmos. E teremos uma assinatura mais rápida, porque queremos vê-lo feito. O acordo está concluído, está só a ser traduzido neste momento”, explicou ontem o presidente norte-americano aos jornalistas

Depois de, a 12 de dezembro, as duas potências terem fechado um acordo de princípio, os EUA esclareceram que esse documento também inclui proteções de patentes, marcas comerciais ou procedimentos criminais e civis (para combater crimes online). Já o vice-ministro do Comércio chinês, Wang Shouwen, reiterou que houve consenso sobre a proteção de segredos comerciais, de forma a salvaguardar direitos de propriedade intelectual de produtos farmacêuticos e combater falsificações e pirataria nas plataformas de e-commerce.

Relacionadas

China vai reduzir tarifas de importação em mais de 850 produtos

O anuncio é um claro sinal de que as tensões entre China e Estados Unidos estão a arrefecer. A redução entrará em vigor no dia 1 de janeiro de 2020 e vai ser aplicada em bens como carne de porco congelada, abacate e papel.
Guerra Comercial EUA-China

China e Estados Unidos negoceiam assinatura da primeira fase do acordo comercial

As autoridades norte-americanas dizem que Pequim concordou em aumentar as compras de produtos e serviços dos EUA em pelo menos 200 mil milhões de dólares nos próximos dois anos.
Recomendadas

Marcelo lembra que há vários focos de guerra e critica UE por ter estado em “autocontemplação”

O Presidente da República considerou hoje que a União Europeia esteve em “autocontemplação” e “continua a não saber encontrar maneira de se relacionar com África”, relembrando que, além da Ucrânia, há outros focos no mundo que ameaçam a paz.

Brittney Griner libertada pela Rússia em troca de prisioneiros com os EUA

A basquetebolista norte-americana estava presa desde agosto. Os norte-americanos soltaram o negociante de armas Viktor Bout, mais conhecido como “comerciante da morte”, que esteve preso nos EUA durante 12 anos.

Bruxelas quer que plataformas passem a cobrar IVA para evitar concorrência desleal

De acordo com as atuais regras de IVA, são os próprios prestadores de serviço – sejam motoristas ou donos de alojamento local – que são obrigados a coletar o IVA e a remiti-lo para as autoridades tributárias do seu país.
Comentários