Dormidas de brasileiros em Portugal disparam 748% até julho

O número de dormidas de brasileiros em Portugal disparou 748% entre janeiro e julho deste ano, para 1,2 milhões, refletindo uma forte recuperação depois de dois anos de pandemia, segundo dados da AICEP, cedidos à Lusa

8 – Brasil

De acordo com os dados enviados pela Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), com base em informação do Instituto Nacional de Estatística (INE) e do Banco de Portugal (BdP), o número de dormidas em Portugal aumentou para 1,2 milhões nos primeiros sete meses do ano, um crescimento de 748% face ao período homólogo, representando 4,87% do total de estrangeiros que dormiram em Portugal.

Em 2019, antes da pandemia, o número de dormidas de brasileiros em Portugal tinha atingido 2,9 milhões, representando 6,04% do total de estrangeiros.

Estes números caíram drasticamente em 2020 (692,3 mil) e em 2021 (622,4 mil).

Já o número de hóspedes brasileiros em Portugal subiu 924% nos primeiros sete meses do ano, para 496 mil, o que compara com os 48,4 mil registados no período homólogo, correspondendo a 6,10% do total de estrangeiros.

Também as receitas do turismo do Brasil em Portugal recuperaram, crescendo 481% para 362 milhões de euros, muito acima dos 62,3 milhões de euros registados nos primeiros sete meses de 2021.

Em 2019, as receitas do turismo do Brasil em Portugal cifraram-se em 737,7 milhões de euros, caindo para 211,2 milhões de euros em 2020 e para 189,9 milhões de euros em 2021.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Natal. 87% dos portugueses vão decorar as casas e só 27% querem reduzir na eletricidade

São 54% os portugueses que não pensam gastar dinheiro em novas decorações (19% prevê gastar até 25 euros e 16% prevê gastar entre 25 e 50 euros), de acordo com os dados revelados por um estudo da Klarna.

Angola estuda impacto social de fim dos subsídios ao preço dos combustíveis

Segundo Vera Daves, Angola está a analisar com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) as “possíveis” medidas de mitigação do impacto social, porque as “preocupações mantêm-se” relativamente ao potencial impacto social da remoção dos subsídios aos combustíveis, que têm um preço muito baixo e não reflete a oscilação do mercado internacional.
Comentários