Dormidas no sector do alojamento turístico aumentaram 252,4% no primeiro semestre, mas ainda abaixo de 2019

Comparando junho de 2022 com o mesmo mês de 2019, registaram-se aumentos na Madeira (+16,8%), Norte (+6,2%), Açores (+6,1%), e menos significativos na Área Metropolitana de Lisboa (+0,1%). O maior decréscimo foi observado no Algarve (-8,1%).

No primeiro semestre de 2022, as dormidas no sector do alojamento turístico aumentaram 252,4% (+84,1% nos residentes e +529,5% nos não residentes) face ao mesmo período do ano passado. Comparando com o mesmo período de 2019, as dormidas decresceram 7,0%, como consequência da diminuição das dormidas de não residentes (-11,9%), dado que as de residentes cresceram 5,2%, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

No segundo trimestre de 2022, as dormidas aumentaram 209,9%, (uma queda de 0,2% face ao mesmo período de 2019). As dormidas de residentes aumentaram 55,6% (+9,9% em relação ao segundo trimestre de 2019) e as de não residentes cresceram 450,1% (-4,1%).

Em junho, o sector do alojamento turístico registou 2,7 milhões de hóspedes e 7,2 milhões de dormidas, aumentos de 97,3% e 110,2%, respetivamente, em relação ao mesmo mês de 2021 (comparativamente a variações de 162,3% e 221,7% em maio, pela mesma ordem). Face a junho de 2019, registaram-se diminuições de 2,6% e 0,4%, respetivamente.

O mercado interno contribuiu com 2,3 milhões de dormidas (+16,5%) e os mercados externos totalizaram 4,8 milhões (+241,8%). Face a junho de 2019, o mercado interno cresceu 7,0% e os mercados externos diminuíram 3,5%.

No sexto mês do ano, 15,7% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes (em relação a 28,4% em junho de 2021).

Em junho, registaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões. O Algarve concentrou 31,2% das dormidas, seguindo-se a Área Metropolitana Lisboa (24,5%), o Norte (15,5%) e a Madeira (11,7%). Contudo, é de destacar que, comparando com junho de 2019, registaram-se aumentos na Madeira (+16,8%), Norte (+6,2%), Açores (+6,1%) e menos significativos na AM Lisboa (+0,1%). O maior decréscimo foi observado no Algarve (-8,1%).

Relativamente às dormidas de residentes, registaram-se aumentos em todas as regiões, com exceção do Algarve (-5,3%), destacando-se a Madeira (+63,5%), Norte (+13,1), Açores (+12,6%) e Centro (+10,0%). As dormidas de não residentes aumentaram na Madeira (+8,4%), Norte (+2,1%) e Açores (+1,9%), tendo as maiores diminuições sido observadas no Centro (-19,8%) e Algarve (-9,0%).

“Em junho, a estada média nos estabelecimentos de alojamento turístico (2,68 noites) aumentou 6,6% (+22,6% em maio). A estada média dos residentes (2,13 noites) reduziu 2,8% e a dos não residentes (3,06 noites) diminuiu 3,7%”, informa o gabinete de estatística. Na Madeira e no Algarve, as estadas médias atingiram os valores mais elevados: 4,71 e 3,95 noites, respetivamente.

Recomendadas

Foram detidos 119 suspeitos por crime florestal este ano

O ministro da Administração Interna afirma que, devido às investigações em curso, o número de detenções pode subir.

Aramco: petrolífera saudita com lucro recorde de 48,4 mil milhões

Subida dos preços do petróleo com a guerra na Ucrânia e a elevada procura pós-pandemia levam lucros da petrolífera saudita a disparar 90% no segundo trimestre.

PremiumInflação nacional em novo máximo, enquanto abranda nos EUA e Alemanha

A média dos últimos onze meses, sem a parte habitacional, ultrapassa já os 5% e agosto dificilmente contraria esta tendência.
Comentários