Douro Azul equaciona venda do ‘ferryboat’ Atlântida

A empresa Douro Azul anunciou que está a equacionar a venda do ‘ferryboat’ Atlântida tendo parado as obras de reconversão do navio para cruzeiros de luxo e que deveria ter a Amazónia como destino. Em comunicado enviado à Lusa, a empresa afirmou ter “em carteira, vários desafios e alternativas válidas para o Atlântida para operar […]

A empresa Douro Azul anunciou que está a equacionar a venda do ‘ferryboat’ Atlântida tendo parado as obras de reconversão do navio para cruzeiros de luxo e que deveria ter a Amazónia como destino.

Em comunicado enviado à Lusa, a empresa afirmou ter “em carteira, vários desafios e alternativas válidas para o Atlântida para operar em águas internacionais, seja numa operação típica de ferry, seja no apoio a plataformas petrolíferas”.

Segundo a empresa presidida por Mário Ferreira, a Noruega, Antártida, costa oeste de África e Malta são os destinos possíveis para o navio construídos nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

“A qualidade técnica e operacional do navio Atlântida não passou despercebida a vários operadores internacionais que contactaram a Douro Azul no sentido de, em parceira ou individualmente, darem um novo destino à embarcação”, afirmou o empresário, citado na nota enviada à imprensa.

O navio foi comprado em setembro passado, através de concurso público internacional, pela Mystic Cruises, do grupo Douro Azul (cruzeiros turísticos) por 8,75 milhões de euros.

“Desde que adquirimos o navio pudemos fazer uma análise profunda e rigorosa ao Atlântida e, perante as oportunidades que entretanto se colocaram, chegámos à conclusão que não fazia sentido proceder a obras profundas de reconstrução, desvirtuando uma embarcação com tanta qualidade técnica e tanta procura”, adiantou.

A alteração de planos, justificou a empresa, fica a dever-se às “inúmeras solicitações” de operadores internacionais.

“Mediante as inúmeras e aliciantes propostas que me chegaram, por parte de operadores internacionais, tivemos que repensar o futuro do Atlântida e estamos agora numa fase de apreciação das propostas concretas de operação que tanto podem envolver a Douro Azul na continuidade da operação ou não. A opção é nossa mas existem condições para que a internacionalização da Douro Azul possa sair reforçada”, disse.

A empresa adiantou que vai “repensar o seu projeto turístico para a Amazónia”, mas assegurou que mantém “a intenção de operar no maior rio do Mundo, entre Manaus, no Brasil, e Iquitos, no Perú, numa distância de dois mil quilómetros, logo que esteja operacional um novo navio-hotel”.

“A opção de operação do Atlântida em outras paragens não implica o final do projeto da Mystic Cruises, operadora de cruzeiros do Grupo Douro Azul, na Amazónia, que regressa ao modelo original com uma embarcação construída de raiz, preferencialmente em Portugal”, lê-se no comunicado da Douro Azul.

O navio “Atlântida” foi encomendado pelo Governo dos Açores, que depois o rejeitaria em 2009 devido a um nó de diferença na velocidade máxima contratada.

Em outubro passado o navio deu entrada nos estaleiros da West Sea, subconcessionária dos terrenos e infraestruturas dos ENVC, para obras de reconversão orçadas em seis milhões de euros.

A intervenção agora travada deveria estar concluída em outubro de 2015, mês em que a Douro Azul anunciou a partida do navio para o Brasil, onde teria a sua primeira viagem comercial agendada para 02 de janeiro de 2016.

OJE/Lusa

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.