Duas cidades chinesas começam a testar população após detetarem casos

Suifenhe e Dongning, que têm 70 mil e 230 mil habitantes, respetivamente, decretaram restrições ao movimento dos seus habitantes. Quem quiser sair das cidades terá de apresentar resultado negativo nos testes de ácido nucleico.

As cidades chinesas de Dongning e Suifenhe, na província de Heilongjiang, no nordeste do país, lançaram hoje uma campanha de testes de ácido nucleico, após detetarem dois novos casos de covid-19.

Em comunicado, as autoridades anunciaram que esperam concluir o processo em três dias, abrangendo, no total, 300 mil pessoas.

Suifenhe e Dongning, que têm 70 mil e 230 mil habitantes, respetivamente, decretaram restrições ao movimento dos seus habitantes. Quem quiser sair das cidades terá de apresentar resultado negativo nos testes de ácido nucleico.

No segundo trimestre do ano, Suifenhe foi palco de um surto, devido ao influxo de cidadãos chineses que regressaram da Rússia através da fronteira terrestre.

Dongning e Suifenhe não são as únicas cidades a testarem os seus cidadãos na China. Chengdu, a capital da província de Sichuan, ordenou também a realização de testes em massa, após detetar um surto cuja origem é ainda desconhecida.

Segundo a Comissão Nacional de Saúde da China, o número total de casos ativos no país asiático é de 292, cinco dos quais se encontram em estado grave.

Recomendadas

Maior cidade do sul da China volta a ser palco de confrontos violentos (com áudio)

Os vídeos mostram manifestantes a arremessar garrafas de vidro e barras metálicas contra as forças de segurança, que surgem a marchar em fileiras, protegidos por escudos antimotim transparentes.

Covid-19: Principal órgão de segurança da China quer “repressão” das “forças hostis”

O principal órgão de segurança da China apelou hoje à “repressão” das “forças hostis”, após os protestos dos últimos dias nas principais cidades chinesas contra as restrições sanitárias e limitações das liberdades individuais.

Covid-19: Universidades chinesas mandam estudantes para casa

Universidades chinesas estão a enviar estudantes para casa para tentar evitar mais manifestações de protesto contra as restrições anticovid, numa altura em que muitas cidades estão a pedir aos residentes que evitem viajar.
Comentários