“Dumb money”?

Novembro foi o melhor mês de sempre em várias bolsas mundiais e, para já, as subidas continuam em dezembro. Algo parece não fazer muito sentido neste cenário de pandemia e consequente recessão económica global…

Novembro foi o melhor mês de sempre em várias bolsas mundiais e, para já, as subidas continuam em dezembro. O índice Dow Jones já ultrapassou os 30 mil pontos, o S&P 500 acumula uma valorização de 14% este ano e o Nasdaq avança mais de 40% no mesmo período.  Algo parece não fazer muito sentido neste cenário de pandemia e consequente recessão económica global…

Os mercados acionistas parecem “caros” e, analisando várias métricas, a subida estará a ser demasiadamente exuberante. Um dos indicadores clássicos é a diferença entre o valor do índice e a média móvel de 200 dias – o S&P 500 está 17% acima dessa referência, mais do que a média histórica e a maior distância desde 2009. Outro indicador muito utilizado é o do grau de alavancagem no mercado (“margin debt”).

A dívida é quase sempre o “combustível da exuberância” e as análises mostram que os investidores estão em níveis máximos de alavancagem. Finalmente, a análise da confiança dos investidores institucionais e do retalho mostra que os primeiros – “smart money” – estão muito menos otimistas (21%) do que os segundos – “dumb money” – (90%). Estes indicadores mostram que há condições para uma correção nos mercados.

As bolsas têm valorizado por descontarem uma profusão de excelentes notícias, nomeadamente a normalização da economia que se espera da utilização das vacinas. Mas a verdadeira génese das subidas está na enorme quantidade liquidez disponível, algo que não desparecerá nos próximos anos. Assim, da mesma forma que é plausível pensar numa correção em breve, a tendência de longo prazo não deverá estar em causa. Curiosamente, estatisticamente, dezembro é o mês do ano em que mais vezes as ações sobem.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão a perder 1,49% com apenas o título da Galp no verde

A puxar o PSI para baixo estiveram os títulos da peso-pesado do retalho Jerónimo Martins, dona da cadeia de supermercados Pingo Doce, que deslizaram 3,52%.

Bancos envolvidos na aquisição do Twitter por Elon Musk poderão perder milhões

Dos 44 mil milhões que Musk terá de pagar pela compra da rede social, 12,5 mil milhões serão garantidos por empréstimos bancários. Exemplos recentes e cenário económico sombrio pesam nas projeções da banca envolvida.

OPEP+ decide baixar a sua oferta de petróleo em dois milhões de barris diários

A redução da produção de petróleo anunciada esta quarta-feira corresponde ao maior corte na oferta desde maio de 2020. Decisão deverá irritar administração Biden e levar a resposta dos EUA, diz nota de mercado do Citi.
Comentários